Prendas a que não vai conseguir fugir este Natal

Estes serão os presentes mais oferecidos este Natal, com os portugueses menos pessimistas do que os restantes europeus pela primeira vez desde 2009 quanto ao poder de compra. Estudo é da Deloitte.

REUTERS / Peter Nicholls

Chocolates, roupa/calçado e livros serão os presentes mais oferecidos este Natal. De acordo com o Estudo de Natal 2016, os centros comerciais continuam a reunir a preferência dos consumidores portugueses para realizarem as suas compras entre os dias 1 e 24 de dezembro, optando por hipermercados e supermercados apenas para compra de alimentos e brinquedos, enquanto nos outros países europeus onde o estudo foi realizado os formatos preferidos são as cadeias de retalho especializado e as lojas de rua.

Em Portugal, o gasto esperado para as épocas festivas é de cerca de 360 euros por agregado familiar, um ligeiro aumento pelo terceiro ano consecutivo, “depois de um período de queda iniciado em 2008, ano em que o consumo esperado foi de aproximadamente 640 euros por agregado familiar”, sinaliza a consultora.

No entanto, desde 2014, o consumo declarado em Portugal é superior ao consumo esperado, indiciando que as expectativas dos portugueses poderão estar a ser “demasiado conservadoras”.

Os portugueses identificam a diminuição do rendimento disponível e a conjuntura económica como os principais motivos para limitarem o seu consumo durante a época festiva.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários