Quem vai homenagear Fidel: América Latina em força, Europa nem por isso

A lista dos que querem prestar respeito a Castro em pessoa parece ser muito curta, com alguns aliados a optar por enviar representantes no lugar.

Fidel Castro foi uma importante figura da política internacional durante mais de 50 anos mas a sua liderança em Cuba dividiu as opiniões, e os líderes de todo o mundo tiveram que decidir se queriam ou não assistir ao funeral do revolucionário.

A lista dos que querem prestar respeito a Castro em pessoa parece ser muito curta, com alguns aliados a optar por enviar representantes no lugar, segundo a BBC News.

Mesmo a China, um parceiro chave para Cuba, ainda não confirmou a presença do presidente Xi Jingping.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que não participará, acrescentando no entanto que enviará um representante.

Pouco surpreendente é a decisão do presidente Barack Obama de permanecer longe da comemoração. Apesar das medidas que Obama tomou para fixar as relações EUA-Cuba, Castro continua a ser uma figura divisiva. Ainda não está esclarecido se os americanos irão enviar alguém.

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, o presidente de França, François Hollande, e a chanceler alemã, Angela Merkel, estão todos afastados do funeral do ex-ditador. No entanto, enviarão representantes do governo.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, cujo falecido pai Pierre era amigo de Castro, foi um dos poucos líderes ocidentais a divulgar uma mensagem de condolências após a morte do líder, mas não estará presente.

Apesar da sua estreita amizade, o presidente vietnamita Tran Dai Quang também não estará presente, enviando a presidente da Assembleia Nacional Nguyen Thi Kim Nga em seu lugar. O país vai no entanto realizar um dia nacional de luto por Fidel Castro.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi – que prestou homenagem a um líder mundial “icónico” na semana passada, não comparecerá.

Kim Jung-un da Coreia do Norte também não viajará para Cuba, enviando uma delegação em seu nome.

Recomendadas

Líder do PAIGC defende coligações para estabilidade e governos de sustentação ampla

O presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) afirmou que continua a defender coligações, porque o país precisa de estabilidade, que só é possível com governos com uma base de sustentação ampla.

PAIGC flexibiliza regras e presidente pode propor outro nome para primeiro-ministro

O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, destacou a flexibilização no partido para que o presidente possa propor outro nome para o cargo de primeiro-ministro caso vença as eleições.

Domingos Simões Pereira diz que PAIGC está unido, coeso e acompanha o seu líder

O presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) afirmou em entrevista à Lusa que o partido está “unido, coeso e acompanha o seu líder” nas metas programáticas e nas reformas previstas.
Comentários