“Vai ter de haver uma prorrogação do contrato” de concessão dos CTT, diz ministro

“Por razões da crise pandémica vai ter de haver uma prorrogação do contrato até estarmos em condições de fechar no próximo contrato”, referiu Pedro Nuno Santos.

Rafael Marchante/Reuters

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou esta terça-feira que “vai ter de haver uma prorrogação do contrato” de concessão dos CTT, que termina no final do mês, sem adiantar prazos.

O governante está a ser ouvido numa audição regimental na comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e da Habitação.

“Estamos a trabalhar com a empresa privada para garantir que o serviço universal [postal] possa continuar nesta fase”, acrescentou o ministro.

“Por razões da crise pandémica vai ter de haver uma prorrogação do contrato até estarmos em condições de fechar no próximo contrato”, referiu Pedro Nuno Santos.

Questionado sobre a propriedade privada dos CTT, reiterou: “Não excluímos esse cenário”.

Relativamente ao porte pago, Pedro Nuno Santos disse que “tem de estar garantido no futuro do contrato de concessão”, salientando que “é um serviço importante” para e imprensa regional e local.

Recomendadas

Martín Tolcachir nomeado CEO Global do Grupo Dia

Tolcachir assumirá a estratégia da empresa a nível global e liderará a execução da estratégia de aceleração para o crescimento em todos os países onde opera, revela o grupo.

Seca no rio Reno põe em risco transporte de mercadorias

Os patrões alemães consideram que o governo federal, juntamente com os vários estados federados, o sector da logística e as empresas industriais, “deve estabelecer um sistema de monitorização próximo para reagir prontamente” ao baixo nível das águas.

Falta de gelo? Mercadona sem limitação de vendas nas lojas em Portugal

Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.
Comentários