Vai ‘voar’ neste Natal? Chegue mais cedo ao aeroporto, recomenda a ANA

A ANA – Aeroportos de Portugal alertou hoje para eventuais demoras nos procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais nos dias 24 e 25 devido à greve das empresas de segurança.

Cristina Bernardo

“A ANA Aeroportos de Portugal informa todos os passageiros que, em virtude da greve anunciada para as empresas de segurança e do elevado incremento de tráfego registado nos últimos meses, é previsível que os procedimentos de controlo de segurança nos aeroportos nacionais sejam mais demorados durante os próximos dias 24 e 25 de dezembro”, lê-se num comunicado.

Na nota, a empresa gestora dos aeroportos nacionais recomenda aos passageiros que, durante os dias da greve, se apresentem no aeroporto respetivo “com maior antecedência e sigam as instruções transmitidas pela sua companhia aérea, operador turístico ou agência de viagens”.

A empresa sugere ainda que os passageiros “procedam ao despacho de bagagem no ‘check-in’, para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão”.

“A ANA lamenta os possíveis constrangimentos causados aos passageiros, indo desenvolver todos os esforços no sentido de minimizar os impactos que a greve possa causar”, adianta a empresa.

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.
Comentários