Vais copiar ou fazer o contrário?

Quando trabalhava na Uniplaces, a primeira vez que expliquei a um senhorio em Lisboa que gostaríamos de ter os seus apartamentos na nossa plataforma online para arrendar a estudantes, fiquei de orelhas quentes.

O senhor a quem telefonei parecia estar mais convicto de uma travessia do atlântico a nado do que a colocar os seus apartamentos online e ter arrendamentos a médio/longo prazo sem ter de mostrar o apartamento a um único estudante. “Eu não trabalho com imobiliárias” dizia. Tentei explicar-lhe que não éramos uma imobiliária mas para ele todas as palavras que saíam da minha boca eram tão estratosféricas que mais valia passar para a próxima chamada.

Seis meses depois, esse mesmo senhorio, desistia da sua travessia do atlântico a nado e tinha 12 apartamentos na Uniplaces e mais de 50 reservas de estudantes internacionais feitas por nós.

E é assim que começam os grandes negócios disruptivos. Como dizia o Garry Tan, fundador do Posterous e antigo Partner no Y Combinator, numa apresentação que deu na Beta-i no final do ano, “as pessoas vão achar que és estúpido”. Quando a Uniplaces não passava de uma equipa de 5 com uma versão rudimentar do produto e a fazer o Lisbon Challenge, a grande maioria das pessoas via demasiados obstáculos. No entanto, o nosso trabalho enquanto equipa Uniplaces, não era provar-lhes o contrário, mas provar-lhes que era possível e que seríamos nós a fazê-lo.

O que na realidade estávamos a fazer era ir do 0 ao 1, como explica o Peter Thiel, fundador do Paypal. Ir do 0 ao 1, é pegar numa ideia única sobre como criar valor no mundo e implementá-la. Claro que é muito mais fácil pegar em algo que já existe e replicar. Aprendemos isso na escola, copiamos, imitamos e repetimos, e acabamos por fazer o mesmo quando construímos empresas. Há muito mais empreendedores a replicarem o que já existe do que a construírem algo completamente novo e original.

Agora, ir do 0 ao 1 é perguntar, como diz o Peter Thiel, “com que verdade importante é que muito poucas pessoas concordam contigo? Que empresa de valor é que ninguém está a construir?”. Claro que a grande maioria vai achar que és estúpido, que o que estás a fazer não faz sentido, que é demasiado complexo e duvidoso. Não terás como base estatísticas para as tuas previsões de negócio, porque elas não existem, e em vez disso terás de calcular probabilisticamente falando, o que vai acontecer.

Nada disto é fácil, mas é com este percurso árduo que se conseguem mudar indústrias e setores estruturais da nossa sociedade. É mudando de paradigma em que, em vez de imitar e seguir os outros, se cria algo de novo e se experimenta. Quando Peter Thiel fundou o Paypal, muitos associaram o produto à fraude fiscal e não viram nele potencial, e hoje é das plataformas mais utilizadas para pagamentos online revolucionando toda uma indústria.

Na prática, a escolha é simples, vais copiar ou fazer o contrário?

Recomendadas

Phenix assegura 15 milhões de euros para reduzir o desperdício alimentar

Com este apoio financeiro, a Phenix, que faz parte do movimento Tech For Good, espera atingir a meta dos 10 milhões de downloads na sua aplicação móvel anti desperdício e poupar mil milhões de refeições de serem desperdiçadas até 2024.

Gestora de ativos do Santander e EIT Innonergy lançam fundo de investimento em tecnologia amiga do ambiente

O novo veículo de investimento, cujo montante não foi revelado por aguardar aprovação do regulador dos mercados em Espanha, foi apresentado esta quarta-feira no evento ‘The Business Booster’, que está a decorrer na FIL – Feira Internacional de Lisboa.

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.