Valadas Coriel entra na Madeira para captar negócios com estrangeiros

A ‘of counsel’ Sandra Jardim Fernandes refere ao Jornal Económico que o escritório “já está em negociações com as várias organizações de nómadas digitais” no arquipélago.

A sociedade de advogados Valadas Coriel & Associados (VCA) expandiu a sua operação para a Região Autónoma da Madeira e pretende captar os (cada vez mais) nómadas digitais e assessorar investimentos estrangeiros no arquipélago, conhecido como a pérola do Atlântico.

Ao Jornal Económico, a of counsel Sandra Jardim Fernandes explica que a representação de clientes com interesses no Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) – Zona Franca- também pesou na decisão de o escritório ter representação nesta ilha. Questionada sobre se pondera um ‘voo’ da sociedade até aos Açores, a consultora da VCA afirma que, neste momento, ainda não é uma possibilidade, mas não deixa de estar em cima da mesa.

Como é que se iniciou esta parceria com as advogadas Kelly Nunes e Cristina Freitas?

Cresci na Madeira e, depois da faculdade, regressei à Madeira onde trabalhei durante 25 anos como advogada e administradora de empresas ligadas ao turismo. O conhecimento da Kelly deu -se a nível pessoal há cerca de 15 anos e conheci a Cristina, não só por ser amiga e parceira de escritório da Kelly, mas por ser já uma referência na Madeira em termos de direito imobiliário, estando neste momento a representar os principais promotores imobiliários e fundos de investimento. Tenho pelas duas a maior das considerações, como pessoas e como profissionais íntegras, proativas, conhecedoras, o que nos dá total segurança na representação de uma sociedade de advogados com a projeção nacional e internacional da VCA.

Em que se materializará este acordo? A VCA vai ter de deslocalizar advogados?

O trabalho será desenvolvido pela equipa de Lisboa em coordenação com as representantes na Madeira, na área da imigração, fiscal, societário e imobiliário. A VCA tem hoje um departamento de imigração com nove elementos em Lisboa, dividido em três áreas: a imigração com base no investimento (golden visa), a área do investimento e a área encarregue dos restantes programas de imigração, com especial relevo para os programas D2 e D7. Isto permite que muito do trabalho a desenvolver na Madeira pelas colegas, nesta área, possa ser totalmente orientado e parcialmente realizado em Lisboa.

O que vos atrai, em termos de negócio, na Madeira?

A causa principal da ida para a Madeira foi sem dúvida a expansão na cobertura nacional do departamento da imigração, não só pelo impacto que a era da pandemia trouxe, com o aumento exponencial de estrangeiros a querem viver e trabalhar a partir da Madeira para o mundo inteiro, como também pela alteração da lei da imigração que só permitirá o investimento imobiliário residencial no interior do país e nas Ilhas. Neste momento, a VCA já está em negociações com as várias organizações de nómadas digitais na Madeira, disponibilizando a sua vasta experiência internacional para melhor ir ao encontro do perfil de cada digital nómada que decida trabalhar a partir da Madeira.

Recomendadas

Filipe de Vasconcelos Fernandes recebe Prémio António Barbosa de Melo de Estudos Parlamentares 2022 (com áudio)

Prémio é entregue esta segunda-feira, 5 de dezembro, na Universidade de Coimbra, a Filipe de Vasconcelos Fernandes, professor na Faculdade de Direito de Lisboa e advogado na VdA.

PremiumMudar modelo de negócio é uma opção para enfrentar “a maré de incertezas”

Empresas que não entendam o cenário macroeconómico enfrentam um futuro sombrio, alerta o CEO da DFK International. Consultoras “devem somar serviços”, diz em entrevista ao JE.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.
Comentários