Valha-nos Nossa Senhora de Fátima

Sem crescimento económico e com taxas de juro progressivamente mais elevadas, o País pode tornar-se inviável.

Olhar para 2017 mete medo. Nunca a incerteza atingiu níveis tão elevados. Se alguém disser que sabe o que irá acontecer por esse mundo fora, o melhor é não prestar muita atenção.

A tomada de posse de Donald Trump, as eleições legislativas na Alemanha e na Holanda, as presidenciais em França, a situação de grande instabilidade em Itália com eleições previstas para o início de 2018, irão marcar um ano em que a instabilidade será palavra dominante.

Se a tudo isto acrescentarmos a continuação da crise dos refugiados, a tensão na Turquia, o prolongamento da guerra na Síria, o posicionamento agressivo da Rússia e do Irão, o isolamento de Israel e a inexistência de um Estado na Líbia, que afeta toda a região, estaremos então em presença do maior “barril de pólvora” das últimas décadas. Em consequência desta desordem, a proliferação de “organizações” terroristas sem rosto, sem estrutura de comando e sem logística relevante, composta por “fiéis” espalhados não se sabe exatamente por onde, continuará a estar bem presente no quotidiano dos países que marcam a agenda mundial.

Ao nível económico assistiremos ao início de um novo ciclo de políticas de crescimento nos Estados Unidos, que inevitavelmente conduzirão a momentos de tensão com a China, a uma preocupação crescente com a inflação na zona euro e a medidas menos expansionistas por parte do BCE, que deixarão de suportar as economias mais débeis e farão aumentar as taxas de juro. Já para não referir a habitual incerteza sobre o preço do petróleo.

Tudo isto é motivo de enorme preocupação e poderá afetar de forma trágica, olhando agora para dentro, o futuro da Europa unida, o clima de paz nas zonas onde tradicionalmente nasceram os grandes conflitos europeus ou a necessidade de crescimento económico como condição de manutenção do Estado Social. Portugal não estará fora desta equação. Muito pelo contrário. Sem crescimento económico e com taxas de juro progressivamente mais elevadas, o País pode tornar-se inviável.

Se nada de mal nos acontecer, o que como vimos parece difícil, António Costa continuará a governar à vista, procurando não correr riscos adicionais e garantindo que, pelo menos até outubro, a esperança dos portugueses se manterá em alta. Nessa altura, ganhando as eleições autárquicas de forma expressiva antes da entrega do Orçamento do Estado e conquistado que estará o “centro”, ficará em condições de escolher o caminho que quiser. Ou prolonga a “aventura frentista” e distribui mais algumas benesses sem grande expressão orçamental ou, como me atrevo a prever, dificultará a vida aos partidos das “posições conjuntas”, forçando-os a fazer cair o Governo e avançando para eleições no início de 2018.

Neste momento tenho apenas como certo, e já não é pouco, que 2017 será o momento de comemorar o Centenário das Aparições de Fátima e que, no pior cenário, poderemos contar com a proteção de Nossa Senhora da Conceição Padroeira de Portugal. Esperemos que não seja necessário. Mas será preciso um milagre!

Recomendadas

Economias emergentes acusam UE do aumento de preço do gás natural

A anarquia de preços e quantidades nos mercados internacionais do gás natural decorre do desnorte europeu das sanções económicas contra a Rússia, muito mal concebidas porque contra os interesses dos países-membros, mas afetando de sobremaneira os países emergentes de menor poder de compra.

A solidão que tanta falta nos faz

O que acontece quando a vida em conjunto se torna uma escolha forçada e a única alternativa? O que acontece quando escolhemos, de forma constante, abdicar da nossa privacidade?

Proibido poupar

Uma sociedade que oprima a poupança e reduza o indivíduo a uma máquina de consumo será, indubitavelmente, opressora.
Comentários