Valor mediano de avaliação bancária sobe 10 euros de junho para julho

Em termos homólogos, o aumento foi na ordem dos 16,1% para os 1.417 euros.

Margarida Grossinho

O valor mediano de avaliação bancária foi 1.417 euros em julho, mais 10 euros (0,7%) que no mês anterior, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE). Em termos homólogos, a taxa de variação fixou-se em 16,1% (comparativamente a 15,8% em junho).

O número de avaliações bancárias consideradas ascendeu a cerca de 29 mil em julho, menos 6,0% que no mesmo período do ano anterior, acrescenta a nota.

O maior aumento face ao mês anterior registou-se na Região Autónoma dos Açores (1,9%) e o menor no Alentejo (0,2%). Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações registou a variação mais intensa no Algarve (18,7%) e a menor na Região Autónoma dos Açores (8,1%).

No mês em análise, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1.575 euros/m2, tendo aumentado 16,7% relativamente a julho de 2021.

“Os valores mais elevados foram observados no Algarve (1.887 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1 881 euros/m2), tendo o Alentejo registado o valor mais baixo (1.008 euros/m2). O Algarve apresentou o crescimento homólogo mais expressivo (17,9%), tendo a Região Autónoma da Madeira apresentado o menor (11,5%). Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação subiu 0,8%, observando-se a maior no Alentejo (1,8%). A única descida verificou-se no Algarve (-0,1%)”, lê-se na nota.

“O valor mediano da avaliação para apartamentos T2 aumentou 13 euros, para 1.589 euros/m2, tendo os T3 subido 6 euros, para 1 404 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 78,5% das avaliações de apartamentos realizadas no período em análise”, acrescenta o gabinete de estatística.

Quanto às moradias, o valor mediano da avaliação bancária  foi de 1.129 euros/m2 em julho, representado um acréscimo de 13,1% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

“Os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1 994 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.897 euros/m2), tendo o Alentejo e o Centro registado os valores mais baixos(911 euros/m2 e 912 euros/m2, respetivamente). O Algarve apresentou o maior crescimento homólogo (22,5%) e o menor ocorreu na Região Autónoma dos Açores (8,3%). Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação aumentou 0,6%. O Algarve apresentou o crescimento mais acentuado (3,5%), tendo-se verificado a maior descida no Alentejo (-1,1%)”,

“O valor mediano das moradias T2 subiu 12 euros, para 1 074 euros/m2, tendo as T3 subido 5 euros, para 1 111 euros/m2 e as T4 7 euros, para 1 192 euros/m2. No seu conjunto, estas tipologias representaram 88,7% das avaliações de moradias realizadas no período em análise”, indica o INE.

Recomendadas

Procura por quartos aumenta cerca de 50% em comparação ao ano passado

Segundo a Imovirtual “desde junho de 2021 até ao presente, existem dois grandes picos de procura, que ocorrem no início de setembro de 2021 e no início de setembro de 2022”.

Volkswagen Financial Services cria novo hub tecnológico em Matosinhos com apoio da CBRE

A CBRE, consultora na prestação de serviços para o sector imobiliário, acaba de fixar o novo hub tecnológico da Volkswagen Financial Services no Lionesa Business Hub, em Leça do Balio, no concelho de Matosinhos. As instalações da empresa alemã ocupam um total de 1.100 metros quadrados.

Preços da habitação aumentaram 13,2% no segundo trimestre e atingem recorde

No trimestre de referência, investidores não residentes foram responsáveis por 6,4% do número total de transações (2.783 habitações), correspondendo a 11,9% do valor total transacionado. Nesta procura, a categoria União Europeia correspondeu a 3,6% e os restantes países a 2,8%. 
Comentários