Valor sob gestão em Certificados de Aforro e do Tesouro sobe para 23.900 mil milhões em novembro

Montante sob gestão em Certificados de Aforro e de Tesouro atingiu 23.915 milhões de euros em novembro, 236 milhões de euros (ou 1%) acima dos 23.679 milhões registados em outubro, segundo o Banco de Portugal.

De acordo com o Boletim Estatístico publicado hoje pelo Banco de Portugal (BdP), houve uma ligeira aceleração no aumento do montante sob gestão nestes títulos de dívida pública já que, entre setembro e outubro, o acréscimo desse total tinha sido de 234 milhões de euros.

O montante sob gestão em Certificados de Aforro (CA) totalizou 12.947 milhões de euros em novembro, menos 15 milhões do que os 12.962 milhões registados no mês anterior.

Dos 12.947 milhões de euros sob gestão em CA em novembro, 4.289 milhões de euros dizem respeito a capitalização de juros, um valor que subiu oito milhões face ao mês anterior.

Já no que diz respeito aos Certificados do Tesouro, o Estado detinha 10.968 milhões de euros nestes instrumentos no final de novembro, mais 251 milhões do que os 10.717 milhões de euros registados no mês anterior.

Para os Certificados do Tesouro, o Banco de Portugal não desagrega, no Boletim Estatístico, qual o montante de juros acumulados.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários