Valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário atinge os 10,8 mil milhões

Em novembro de 2021, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 10.813,8 milhões de euros, mais 133,7 milhões (1,3%) do que em outubro, avança a CMVM.

Em novembro de 2021, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 10.813,8 milhões de euros, mais 133,7 milhões (1,3%) do que em outubro, avança a CMVM.

O montante investido nos fundos de investimento imobiliário aumentou 1,6% para 8.144,3 milhões de euros e nos FEII, o valor cresceu 0,50% para 2.313,9 milhões de euros e nos FUNGEPI desceu 0,8% para 355,7 milhões de euros, segundo o regulador dos mercados.

Os países da União Europeia foram o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 47,7% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços. Também os investimentos realizados pelos FUNGEPI se destinaram, sobretudo, ao setor dos serviços (51,2%).

A Square AM (11,8%), a Interfundos (11,3%), e a Caixa Gestão de Ativos (8,7%) detinham as quotas de mercado mais elevadas.

“Em novembro foi constituída a sociedade de investimento imobiliário “VC Prime SICAFI Especial”, gerida pela Imorendimento. Foi ainda liquidado o fundo especial de investimento imobiliário, o “Fundo especial de investimento imobiliário fechado WTC”, gerido pela SFS – Gestão de Fundos”, revela o comunicado da CMVM.

Recomendadas

Airbnb. Anfitriões em Lisboa ganharam mais de 11 milhões com a Web Summit desde 2016

O ano passado, um anfitrião típico em Lisboa ganhou em média 400 euros. Nos quatro dias do evento de tecnologia, que regressa à capital portuguesa no próximo mês, foram acolhidos 11 mil hóspedes.

JLL vende projeto para a construção de 514 novos apartamentos em Almada

O empreendimento está localizado no Feijó, na margem sul do Tejo, e tem uma capacidade de construção próxima de 51 mil metros quadrados, informa a própria JLL em comunicado.

Lisboa ultrapassa Madrid, Barcelona e Milão como cidade mais cara do sul da Europa (com áudio)

Em agosto de 2022, Lisboa apresentou um preço médio venda de 4.817 euros por metro quadrado, tendo registado o maior aumento, na casa dos 5,4%.
Comentários