“Vamos continuar a usar os nossos instrumentos para apoiar a economia o tempo que for preciso”, diz presidente da Fed

Em conferência de imprensa, o presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell, adoptou uma postura de ‘esperar para ver’ em relação à evolução da conjuntura económica — condicionada à vacinação — antes de mexer no programa de compra de ativos, admitindo uma mexida. Fed mantém-se disponível para apoiar a economia pelo tempo que for necessário.

A Reserva Federal (Fed) norte-americana considera que tem a política monetária acomodatícia “adequada” à conjuntura económica, impactada pela crise sanitária, e está preparada para usar o arsenal de instrumentos de política monetária para apoiar a economia durante o tempo que for necessário.

Em conferência de imprensa esta quarta-feira, o presidente do banco central, Jerome Powell, foi peremtório ao dizer que “vamos continuar a usar os nossos instrumentos para apoiar a economia o tempo que for preciso”, isto é, até conseguir colocar a inflação numa trajetória ascendente, para uma taxa “substancialmente mais perto” dos 2%.

Naquela que foi a última decisão de política monetária de 2020, a Fed manteve esta hoje inalterada a taxa de juro diretora, no intervalo entre 0% e 0,25%, e o ritmo de aquisições programa de compra ativos, em linha com as expectativas dos analistas, que destacaram a importância de Jay Powell poder reforçar o forward guidance, sinalizando as condições económicas que poderão lever a alterações no programa de compras.

“A nossa principal mensagem é que vamos manter as compras de ativos na nossa política monetária até que o objetivo da estabilidade dos preços tenha sido atingido. E isso é uma mensagem poderosa”, deixando antever que não fará ajustamentos ao programa de compras de ativos até conseguir colocar a inflação próxima da meta dos 2%.

Com a decisão de política monetária, a Fed manteve o tecto do volume da compra de ativos em 120 mil milhões de dólares.

Jay Powell frisou ainda que “os próximos meses serão desafiantes” e que o primeiro trimestre de 2021 poderá demonstrar impactos económicos devido ao aumento dos casos de Covid-19 nos Estados Unidos, numa altura em que haverá norte-americanos já vacinados, sinalizando incerteza em relação à evolução da conjuntura económica.

Para o curto prazo, o presidente do banco central vincou que “a ajuda que as pessoas vão precisar não é apenas ajuda das baixas taxas de juro que estimulam a procura”, tendo admitido ainda que “há muitas coisas que poderemos fazer”, para apoiar a economia, nomeadamente “expandir o programa de compra de ativos”, sem no entanto especificar em que medida, numa ótica de ‘esperar para ver’.

Para Rhys Herbet, economista do banco britânico Lloyds, numa nota de análise à decisão da Fed, destacou que “permanece o risco significativo de que o programa de compra de ativos será reforçado no próximo ano”. “Se o for, vai incluir provavelmente a extensão das maturidades das obrigações que a Fed compra”.

Fora do campo de ação da política monetária, para o curto prazo, que se antevê difícil, o presidente da Fed disse que o caso para mais estímulos orçamentais à economia é “forte”.

O Congresso norte-americano tem estado em negociações para aprovar um novo pacote de estímulos económicos em torno dos 900 mil milhões de dólares. “Eu daria as boas vindas ao trabalho que o Congresso está a fazer neste momento”, disse Jay Powell, a propósito deste apoio do Estado.

Questionado sobre quando anteciparia que os Estados Unidos atingissem a imunidade de grupo, o presidente do banco central não quis dar uma data específica porque se trata “de uma assunção sobre uma assunção” — porque depende de muitas variáveis —, mas apontou para o “meio do ano” de 2021 ou para “a segunda metade” do próximo ano.

 

Relacionadas

Reserva Federal mantém taxa de juro e programa de compra de ativos inalterados

Em linha com as expectativas do mercado, na última decisão de política monetária de 2020, a Reserva Federal norte-americana manteve a taxa de juro diretora no intervalo entre 0% e 0,25%. O foco vira-se agora para a conferência de imprensa de Jerome Powell, às 19h30.

Menos pessimista, Fed antecipa queda do PIB de 2,4% em 2020

Reserva Federal norte-americana, que divulgou esta quarta-feira as projeções económicas, prevê agora uma queda de 2,4% da economia, o que compara com as projeções de setembro, que apontavam para uma quebra de 3,7%.
Recomendadas

Luta da Fed contra a inflação atinge Wall Street no fecho da sessão

De resto, o organismo liderado por Jerome Powell deu conta na semana passada da possibilidade de as taxas de juro continuarem em alta até 2023 fez com que os três principais índices tivessem caído na última semana entre 4% e 5%.

Banco de Inglaterra anuncia cenário para “testes de stress” com libra em queda

O Banco de Inglaterra divulgou hoje o cenário para testar a resistência dos grandes bancos do Reino Unido, quando o mercado obrigacionista britânico e a libra estão abalados pelas medidas orçamentais anunciadas pelo novo Governo.

Bolsa de Lisboa entre as que mais caíram. EDP Renováveis lidera perdas

O BCE e a OCDE penalizaram os mercados. “O italiano Footsie MIB foi a exceção após a vitória maioritária de Giorgia Meloni do partido de extrema-direita para o cargo de primeira-ministra, nas eleições realizadas ontem”, realçou o analista do BCP.
Comentários