Vaticano lança aplicação para ajudar padres a preparar homilias de domingo

A aplicação é “um instrumento ágil” destinado “principalmente aos párocos e sacerdotes, mas também àqueles que queiram ter um comentário semanal sobre a palavra de Deus”, refere o diário do Vaticano.

A Congregação para o Clero e a Secretaria para a Comunicação do Vaticano lançaram a aplicação ‘Clerus-App’ para ajudar párocos e sacerdotes a preparar as homilias dominicais, informou este sábado o diário do Vaticano L’Osservatore Romano.

A aplicação é “um instrumento ágil” destinado “principalmente aos párocos e sacerdotes, mas também àqueles que queiram ter um comentário semanal sobre a palavra de Deus”, refere o jornal.

Supervisada pelo técnico informático do dicastério, Alessandro Haag, a app é atualizada às quintas-feiras com a inclusão da homilia do domingo seguinte.

A preparação das homilias foi confiada ao jesuíta Marko Ivan Rupnik.

Segundo o diário do Vaticano, os textos estão disponíveis apenas em italiano, mas é intenção que proximamente estejam também disponíveis noutros idiomas.

A aplicação é gratuita e possibilita a audição da leitura da homilia, escrever apontamentos no texto, arquivar comentários e descarregar conteúdos sem ligação à internet.

Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários