VdA assessora venda dos edifícios para a nova sede do BNP Paribas

A sociedade de advogados Vieira de Almeida apoiou a Avenue e um fundo gerido pela Aermont Capital na venda de dois projetos imobiliários: os edifícios Aura e Echo.

A sociedade de advogados Vieira de Almeida (VdA) assessorou juridicamente a Avenue e um fundo gerido pela Aermont Capital na venda de dois projetos imobiliários – os edifícios Aura e Echo, no campus Exeo – ao banco BNP Paribas.

A operação, que ficou concluída a 13 de abril, envolveu a venda de duas sociedades e a celebração de um contrato de desenvolvimento para que o BNP Paribas possa instalar a sua nova sede em Lisboa.

Em causa está um total de 37 mil m2, além de 13 mil m2 de jardins abertos ao público. “A sede do BNP Paribas ficará localizada no Parque das Nações e terá capacidade de acolher cinco mil colaboradores em modelo de trabalho flexível, centralizando a maioria das entidades do grupo a operar em Portugal”, de acordo com a instituição bancária.

Os edifícios, por causa da sustentabilidade, terão um depósito de águas pluviais para irrigar os jardins e painéis fotovoltaicos que permitirão suprir o consumo de energia das áreas comuns, parques de estacionamento com carregadores elétricos e parque para bicicletas.

No âmbito desta transação, o escritório liderado por Paula Gomes Freire reuniu uma equipa de juristas das áreas de prática de Imobiliário, Corporate/M&A e Serviços Corporativos. O grupo foi constituída pelo sócio Pedro Pereira Coutinho e pelas associadas Lisa Ventura Lopes, Joana Silva Leal, Maria Leonor Piconez, Assunção Correia de Matos, Carolina França Barreira, Diana Leandro e Philippa Soares Franco.

Recomendadas

Investir em conjunto em tecnologia? A resposta é “Nim”

Os líderes de sociedades de advogados ouvidos pelo Jornal Económico demonstram abertura para colaborar com as concorrentes, mas poucos revelam disponibilidade para investir em conjunto em novas soluções tecnológicas.

Transição digital reforça importância do talento na advocacia

A tecnologia vai reforçar a eficiência das sociedades de advogados, ajudando-as a serem mais competitivas face às ‘Big Four’ e outros concorrentes. Mas para isso será necessário apostar nas pessoas.

Web 3.0 pode “revolucionar forma como comunicamos enquanto sociedade”

A Web 3.0 segue o processo natural de transformação da internet, com novas funcionalidades que antecipam uma utilização mais natural, embora mais intrusiva, de dados pessoais. No entanto, os especialistas destacam que os aspetos positivos compensam.
Comentários