Veículos elétricos devem constituir 10% das vendas totais de novos carros em 2025

O Electric Vehicle Outlook indica que a quota de mercados dos carros elétricos, em termos de vendas de novos veículos, deve atingir os 58% em 2040. É esperado que a frota de veículos elétricos subam de 1,7 para os 8,5 milhões entre 2020 e 2025.

O Electric Vehicle Outlook da Bloomberg, diz que a quota de mercado, em termo de vendas totais de veículos novos passe de 2,7% em 2020 para os 10% em 2025. Em 2030 deve situar-se nos 28% e em 2040 sobe para os 58%.

O mesmo relatório destaca o crescimento das vendas de veículos elétricos. Em 2015 atingiu 450 mil, em 2019 passaram a 2,1 milhões. Para 2020, é esperada uma quebra para 1,7 milhões. Contudo a trajetória é de crescimento impulsionado “pela descida do preço das baterias, pelas1 melhorias da densidade energética, mais infraestruturas de carregamento, e vendas a atingir novos mercados.

As vendas de veículos elétricos deve subir para 8,5 milhões em 2025, para os 26 milhões em 2030, e para os 54 milhões em 2040.

O relatório estima que entre 2020 e 2030 a frota de veículos elétricos passe de 8,5 para os 116 milhões.

A China será também um agente catalisador no que diz respeito à quota de mercado deste tipo de veículos. O relatório estima que o país em 2025 tenham uma quota global de vendas de veículos elétricos de 54%. Esta percentagem tem tendência a descer para os 49% e para os 33%, em 2030 e 2040.

Relacionadas

PremiumProposta do PAN ameaça travar vendas de carros híbridos no próximo ano

O Parlamento aprovou uma proposta que prevê menos incentivos à compra destes automóveis. Vendas este ano já superam em 29% as do ano passado, mas algumas marcas estão com expectativas negativas para a reação do mercado em 2021.
Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários