PremiumVem aí um “furacão de fome”?

“O número de toneladas de cereais bloqueadas pode triplicar para 75 milhões”, disse Zelensky. A Oxfam prevê que mais 28 milhões de pessoas fiquem subnutridas até ao fim do ano, somando 860 milhões de pessoas, 11% da população mundial.

Jason Reed/Reuters

A guerra na Ucrânia está a provocar uma crise alimentar mundial que se pode arrastar durante vários anos, alertou, a 18 de maio, o secretário-geral das Nações Unidas, numa reunião em Nova Iorque dedicada à segurança alimentar.

Segundo António Guterres, a escassez de cereais e de fertilizantes causada pelo conflito, combinada com o impacto das alterações climáticas e com as sequelas económicas e sociais da pandemia de Covid-19, “ameaçam atirar dezenas de milhões de pessoas para a insegurança alimentar, seguida da malnutrição e da fome generalizada”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumVamos falar de Economia e Cultura sem preconceitos?

Ana Ventura Miranda nasceu em Torres Vedras. O “bichinho” da representação levou-a para Lisboa e, mais tarde, para Nova Iorque. Cresceu como pessoa e como profissional na área da produção e do jornalismo. Depois, lançou-se num novo desafio: divulgar e promover a Cultura portuguesa do outro lado do Atlântico. Seguiu-se o planeta. Tudo sem preconceitos. Ou não estivesse imbuída dessa cultura que liga as artes e a cultura ao negócio. “A Economia e a Cultura têm de estar ligadas”, diz ao JE.

Morreu o padre António Vaz Pinto

O sacerdote encontrava-se internado desde 8 de junho no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, na sequência de um tumor pulmonar. A notícia foi confirmada pela Província Portuguesa da Companhia de Jesus. António Vaz Pinto tinha 80 anos.

Helena Coelho arrasa Miguel Milhão da Prozis: “Não compro uma única coisa mais…”

O fundador da Prozis, Miguel Milhão, está no centro da polémica, após concordar com a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos em revogar a lei do aborto, que vigorava há mais de 50 anos. Perante a sua posição, várias figuras públicas deixaram de colaborar com a marca de nutrição desportiva, como é o caso de Jessica Athayde, Marta Melro ou Diana Monteiro. A apresentadora Helena Coelho é uma das mais críticas: “é a prepotência e arrogância de quem “não precisa de Portugal”.
Comentários