Vem aí a vacina que pode ser “o último prego no caixão para o HIV”

Espera-se que os resultados estejam disponíveis no final de 2020.

Universidade de Coimbra
Foto cedida

A primeira vacina teste de HIV é lançada na África do Sul. O projeto ambicioso designado por HVTN 702 tem como objetivo incluir 5.400 homens e mulheres sexualmente ativos entre 18 e 35 anos por toda a África do Sul.

Anthony S. Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas afirmou que “se for implantado ao lado do arsenal atual de ferramentas comprovadas de prevenção do vírus, esta vacina pode muito bem ser o último prego no caixão para o HIV”.

Embora os cientistas tenham sido capazes de criar vacinas para outros vírus, desenvolver uma vacina para o HIV tem sido especialmente desafiante, mas no caso de sucesso poderia reduzir significativamente as infeções no mundo inteiro.

“Mesmo uma vacina moderadamente eficaz tem capacidade para diminuir significativamente a carga da doença HIV ao longo do tempo”, disse Fauci ao Time.

O HIV comporta-se ao contrário da maioria dos outros vírus em algumas formas importantes, normalmente, quando uma pessoa é infetada com um vírus o sistema imunológico cria anticorpos que combatem o bug, sendo esse anticorpo o ponto de partida para a criação de medicamentos. O que é complicado no HIV é que quando uma pessoa está infetada, esse mesmo processo de desenvolver anticorpos não é acionado.

“Uma das razões pelas quais tem sido tão difícil fazer uma vacina contra a sida é que o vírus infeta as próprias células do sistema imunológico que a vacina é suposto induzir”, disse o principal autor, Guido Silvestri, chefe de microbiologia e imunologia do Yerkes National Primate Research Center.

Ainda assim, especialistas esperam que o novo ensaio da vacina funcione melhor do que as tentativas anteriores.

Espera-se que os resultados estejam disponíveis no final de 2020.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários