Vem de Palmela, “assobia” e foi eleita a Árvore Europeia do ano

O Sobreiro de Águas de Moura com 234 anos e 16,2m de altura, obteve um total de 26,606 votos. O anúncio foi feito esta terça-feira no Parlamento Europeu em Bruxelas.

O Sobreiro “assobiador” de Águas de Moura, localizado no concelho de Palmela, no distrito de Setúbal, foi o vencedor do concurso Árvore Europeia do ano. É chamado de “assobiador” devido aos pássaros que se juntam na sua copa ao fim do dia para chilrear. No segundo lugar ficou os ulmeiros ancestrais de Cabeza Buey, em Espanha e em terceiro um carvalho de seu nome “Ancião das Florestas de Belgorod”, localizado na Rússia.

A cerimónia decorreu no Parlamento Europeu em Bruxelas, coincidindo com o Dia Internacional da Árvore. O secretário-geral da União da Floresta Mediterrânica, Nuno Calado mostrou-se “muito feliz pela vitória portuguesa, não só por ser a primeira vez que Portugal participa no concurso, mas também porque tem sido um ano muito difícil”, referiu.

O Sobreiro foi plantado no centro de Águas de Moura em 1874 e foi descortiçado por vinte vezes, estando classificado como “Árvore de Interesse Público”, desde 1988 e pertence ao Livro de Recordes do Guiness, como o maior sobreiro do mundo.

Conheça também o Sr. Peters, uma excelente escola de Palmela.

Recomendadas

Furacão Ian. Autoridades dos EUA esperam consequências “catastróficas”

O Estado norte-americano da Florida prepara-se hoje para a chegada do furacão Ian, que devastou o oeste de Cuba e que está “a intensificar-se rapidamente”, podendo ter consequências “catastróficas”, segundo os serviços meteorológicos locais.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.

Ativistas aumentam pressão sobre governos para intensificarem esforços de ação climática

Até ao momento, mais de 80 processos judiciais foram iniciados em todo o mundo para “obrigar” os governos a intensificarem os esforços.
Comentários