Venda da Herdade da Comporta travada pelo Ministério Público

No prazo definido, o Ministério Público não deu autorização para o levantamento do arresto que permitia a venda da maioria da Rioforte ao empresário português Pedro de Almeida.

O Ministério Público travou a venda da Herdade da comporta, uma vez que não deu autorização, no prazo definido, para o levantamento do arresto que permitiria a alienação do fundo imobiliário que gere a herdade – a Rioforte, ao empresário português Pedro de Alemeida, avança o Jornal de Negócios esta quinta-feira.

“Tomámos conhecimento em carta dirigida à Ardma Imobiliária pelos curadores do processo da Rioforte no Luxemburgo da conclusão, sem sucesso, do processo de alienação da participação por esta detida na Herdade da Comporta – Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado”, disse ao Negócios a a sociedade de Pedro de Almeida, que justifica essa situação com o “não levantamento do arresto pelas entidades competentes em tempo útil estabelecido para esta transação”.

O empresário assinou no dia 10 de julho o contrato de compra e venda de 59% do fundo imobiliário da Comporta. Essa participação é um dos ativos ligados ao Grupo Espírito Santo que o Ministério Público arrestou, em maio de 2015, com o objetivo de que este ativo possa servir para ressarcir eventuais lesados.

A Ardma Imobiliária mostra-se surpreendida e frustrada “pelo insucesso da operação”.

Relacionadas

Receitas das vendas da Comporta ficam em Portugal

As autoridades nacionais pediram ao Brasil o arresto dos ativos das sociedades direta e indiretamente detidas pelas sociedades do GES.

Herdade da Comporta tem dívida de 108 milhões de euros à CGD

No espaço de nove anos, a dívida praticamente duplicou. A empresa Rioforte está a tentar vender de novo a Herdade, que valerá mais de 400 milhões de euros.
Recomendadas

Confiança dos consumidores volta a recuar e clima económico aumenta em novembro

De acordo com os ‘Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores’ do Instituto Nacional de Estatística (INE), “o indicador de confiança dos consumidores diminuiu entre setembro e novembro, apenas marginalmente no último mês, atingindo um valor próximo do registado em abril de 2020 no início da pandemia”.

Juros da dívida de Portugal caem a dois, a cinco e dez anos

Às 08:35 em Lisboa, os juros a dez anos baixavam para 2,823%, contra 2,916% na segunda-feira.

Assembleia Municipal do Porto aprova orçamento para 2023 (com áudio)

O orçamento da Câmara do Porto para 2023, que contempla um aumento de 20,9% face a 2022, o equivalente a 66,8 milhões de euros, foi aprovado com os votos favoráveis dos eleitos do movimento independente “Aqui Há Porto”, do PSD e do Chega.
Comentários