Venda de gelo? Pingo Doce não tem prevista “qualquer restrição” nas lojas

O Pingo Doce não tem prevista “qualquer restrição” à venda de gelo nas suas lojas e o Intermarché desconhece qualquer “racionamento de produtos” no mercado português, disseram esta quinta-feira à Lusa fontes oficiais das cadeias de supermercados.

Pingo Doce

Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.

Contactada pela Lusa sobre o tema, fonte oficial da cadeia de supermercados do grupo Jerónimo Martins disse que “o Pingo Doce não está a limitar a venda de gelo nas suas lojas, não estando prevista qualquer restrição”.

Sobre o mesmo assunto, fonte oficial do Intermarché salientou que o “grupo Os Mosqueteiros, incluindo a sua insígnia de comércio alimentar Intermarché, é composto por chefes de empresa independentes que gerem as suas lojas de acordo com o contexto das regiões onde estão inseridos”.

Assim, “centralmente não temos conhecimento de racionamento de produtos, nos quais se incluem as embalagens de gelo”, acrescentou a mesma fonte.

A Lusa contactou outras cadeias de supermercados, mas até ao momento ainda não obteve resposta.

O racionamento na venda de gelo — e o desaparecimento do produto de supermercados e gasolineiras – chegou quando se esgotaram as reservas do produto, resultado de uma “tempestade perfeita” em que se juntaram o aumento dos preços da eletricidade e as ondas de calor que afetam Espanha desde junho, segundo os empresários.

A produção de gelo, com vista a responder à habitual procura de verão, começa a fazer-se nos meses iniciais do ano, mas em 2021, o aumento do preço da eletricidade gerou custos de fabrico e armazenamento que levaram a parar as fábricas.

A inflação em Espanha foi de 10,8% em julho, o valor mais alto em 38 anos, desde setembro de 1984.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Negócios com empresas portuguesas caem nos primeiros sete meses de 2022

As fusões e aquisições caíram 24% para 249, em comparação com o mesmo período do ano passado, e o valor dos mesmos recuou 61% para 5,8 mil milhões de euros. Garrigues, JP. Morgane e Seale & Associates lideram assessorias.

Pepco. “Primark da Polónia” vai abrir as primeiras lojas em Portugal no próximo ano

Portugal será o 18º mercado da marca que pertence ao britânico Pepco Group e tem cerca de 3 mil lojas na Europa. Inicialmente, haverá estabelecimentos no Porto, em Lisboa e na região do Algarve, mas o objetivo é expandir para o resto do país.
Comentários