Vendas a retalho desaceleram em novembro

O índice de volume de negócios no comércio a retalho abrandou em novembro, registando uma subida homóloga de 0,2% face ao 1% registado no mês anterior, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE). Segundo o INE, verificou-se um abrandamento tanto nas vendas do produtos não alimentares, que passaram de uma variação homóloga de 1,7% […]

O índice de volume de negócios no comércio a retalho abrandou em novembro, registando uma subida homóloga de 0,2% face ao 1% registado no mês anterior, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, verificou-se um abrandamento tanto nas vendas do produtos não alimentares, que passaram de uma variação homóloga de 1,7% em outubro para 1,2% em novembro, enquanto os produtos alimentares apresentaram uma queda homóloga de 1,2% (subiram 0,1% em outubro).

O índice de emprego no comércio a retalho estabilizou em novembro, registando a mesma queda homóloga do que em outubro e que foi de 0,3%, enquanto a taxa de variação mensal foi 0,9%, idêntica à verificada no mesmo mês de 2013.

Mas quando comparado com o mês anterior, o índice das remunerações aumentou 3,1% em novembro e o volume de trabalho no comércio a retalho, avaliado pelo índice de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário, diminuiu 0,7% em novembro, em termos homólogos.

OJE/Lusa

Recomendadas

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.

TdC identifica mais de 12 mil milhões de euros de despesa com 186 benefícios fiscais em 2021

O organismo alerta para a inconsistência com os 336 benefícios mencionados pela Autoridade Tributária, para a concentração do recurso a estas medidas em poucos beneficiários e para a falta de avaliação quanto ao impacto real das mesmas.