Vendas da H&M caíram 18% no ano fiscal de 2020

“As extensas restrições sociais envolveram o encerramento temporário de lojas e as grandes quebras no fluxo de clientes das lojas físicas levaram a uma redução substancial nas vendas, nomeadamente no segundo trimestre”, afirma a H&M em comunicado.

H&M

As vendas do grupo de retalho de vestuário H&M caíram 18% para 187.025 milhões de coroas suecas (18.329 milhões de euros) no total do ano fiscal de 2020, face aos resultados do ano passado, revelou a empresa em comunicado esta terça-feira, 15 de dezembro.

No quarto trimestre (que corresponde ao terceiro trimestre do ano civil) cujos resultados também foram divulgados esta manhã, a empresa revelou que as vendas apresentaram uma quebra de 10% para 52.543 milhões de coroas suecas (5.148 milhões de euros), no período compreendido entre 1 de setembro e 30 de novembro, face a igual período do ano passado.

“O grupo H&M começou o ano forte e com um balanço positivo até ao impacto da primeira vaga de Covid-19. As extensas restrições sociais envolveram o encerramento temporário de lojas [entre março e abril] e as grandes quebras no fluxo de clientes das lojas físicas levaram a uma redução substancial nas vendas, nomeadamente no segundo trimestre“, afirma a H&M em comunicado.

O grupo retalhista sueco aponta que se verificou uma forte recuperação durante o terceiro trimestre que se estendeu até ao trimestre seguinte, sendo que entre 1 de setembro e 21 de outubro as vendas diminuíram num total de 3% em comparação com o mesmo período de 2019.

Por sua vez, entre 22 de outubro e 30 de novembro, as vendas da multinacional de origem sueca caíram 22% comparativamente ao mesmo período do ano passado. Esta quebra teve origem quando uma segunda vaga de Covid-19 causou a desaceleração da recuperação de vendas.

Recomendadas

Tesla corta turnos na fábrica de Xangai

A entrada das novas contratações da fabricante automóvel para esta unidade de produção na China também foi adiada, segundo a Bloomberg.

BBC vai passar a estar em exclusivo no digital, diz o diretor geral

“Um desligar das transmissões vai acontecer com o tempo e devemos planear isto”, sublinhou o responsável. Com o desaparecimento das estações de televisão e rádio da BBC, estes programas podem ser continuados pela via digital.

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.
Comentários