Vendas de casas. 21% da oferta fica menos de uma semana no mercado

No mês de dezembro, 15% das habitações para venda ficou no mercado entre duas semanas e um mês, 35% entre três meses e um ano e 9% mais de um ano.

Margarida Grossinho

Cerca de 21% das casas vendidas através do ‘idealista’ no mês de dezembro estiveram menos de uma semana para oferta no mercado, segundo os dados das designadas ‘vendas expresso’ divulgadas pelo marketplace imobiliário esta terça-feira, 17 de janeiro.

No mês em análise, 15% das habitações para venda ficou no mercado entre duas semanas e um mês, 35% entre três meses e um ano e 9% mais de um ano.

Analisando as cidades capitais de distrito, Coimbra foi aquela que apresentou uma maior percentagem, 35% das casas vendidas em dezembro, seguindo-se Vila Real (27%), Évora (27%), Porto (23%) e Funchal (21%).

Por sua vez, Aveiro (19%), Setúbal (18%), Braga (18%), Leiria (18%), Faro (16%), Viana do Castelo (12%), Lisboa (12%), Beja (12%), Santarém (11%), Viseu (10%), Castelo Branco (8%) e Ponta Delgada, Portalegre e Bragança, (todas com 7%) ficaram abaixo da média nacional.

Em relação aos distritos\ilhas, o Porto (29%) foi onde mais casas foram vendidas em menos de uma semana durante o mês de dezembro de 2022, seguido pela ilha de Santa Maria (20%), ilha da Madeira (19%), Coimbra (18%), Aveiro (18%), Setúbal (17%), Lisboa (14%), Guarda (14%), Faro (14%), Braga (14%), Santarém (14%), Évora (13%), Leiria (12%), Vila Real (12%), Castelo Branco (11%) e Bragança (10%).

Em sentido oposto, Portalegre (5%) registou a percentagem de vendas rápidas de casas mais baixa, seguindo-se Beja (7%), Viana do Castelo (9%) e Viseu (9%).

Recomendadas

Lisboa: esta cidade não é para pobres

Estudo da Century 21 Portugal sobre a acessibilidade de habitação em Portugal revela que, na capital portuguesa, 155 mil famílias com rendimentos líquidos anuais que variam entre os 5 mil e os 19 mil euros só têm 5% de oferta de habitação adequada à sua classe no mercado.

Volume de investimento imobiliário deverá continuar nos três mil milhões em 2023

Consultora CBRE aponta Lisboa como a sexta cidade europeia mais atrativa para investir e destaca como principais riscos para este ano a obtenção e o custo do crédito, bem como o desfasamento de expetativas de preços entre o vendedor e comprador.

Comprar um apartamento de 90m2 em Lisboa custava mais do dobro da média nacional em 2022

Na capital portuguesa o preço era de 375.480 euros, enquanto na média nacional o valor é de e 152.159 euros. Em Lisboa, a taxa de esforço aumentou dos 48% em 2019, para o 67% no último ano.
Comentários