Vendas de motociclos aceleram 16% em 2021

As motas ajudaram o mercado de duas rodas, triciclos e quadriciclos a crescer 15% no ano passado, de acordo com os dados divulgados esta terça-feira pela Associação do Comércio Automóvel de Portugal.

Cristina Bernardo

O mercado de duas rodas, triciclos e quadriciclos cresceu 15% no ano passado, em relação a 2020, ao terem sido matriculados 36.925 veículos desta categoria no país, revelou esta terça-feira a Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP) no relatório com o acumulado de 2021.

A subida nas vendas foi significativa no final do ano passado, uma vez que só em dezembro o mercado de representantes oficiais de marca a operar em Portugal de veículos novos de duas rodas, triciclos e quadriciclos aumentou 33,4% em termos homólogos, tendo sido matriculadas 2.129 unidades.

No entanto, a indústria viu-se sobretudo impulsionada pelos motociclos. Entre janeiro e dezembro do ano transato foram matriculados 33.919 motos, o que corresponde a uma subida de 16,1%. Contando apenas o 12º mês, o crescimento homólogo foi de 36% (1.875 unidades), segundo a ACAP. A maioria tinha cilindrada até 125 cm3: 1.099 unidades matriculadas em Portugal em dezembro, o que significa um ‘cavalinho’ de 44% cento face ao mês homólogo de 2020.

“Quanto ao número acumulado de motociclos até 125 cm3 matriculados nos doze meses de 2021, este situou-se em 18.015 unidades, o que representou um aumento de 13,8% face a igual período do ano anterior. Em relação aos motociclos com cilindrada superior a 125 cm3, no último mês de 2021 foram matriculados 776 veículos deste tipo, o que representa um aumento de 26% face ao mesmo mês de 2020”, lê-se no boletim da associação.

O mesmo não aconteceu com o mercado de ciclomotores. Houve apenas 101 ciclomotores novos matriculados pelos representantes oficiais de marcas em Portugal em dezembro de 2021, ou seja, menos 29,9% do que em dezembro de 2020. Em termos acumulados, no ano de 2021, foram matriculados 1.689 ciclomotores, o que se traduziu num decréscimo de 10,4%

Recomendadas

Boris Johnson rejeita apelos de ministros para que se demita

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, recusou hoje apelos de alguns dos seus ministros a que se demita, de acordo com os meios de comunicação social britânicos.

EUA: Taxas de juros mais restritivas podem ser necessárias para conter a inflação

No entanto, consideraram que tais medidas são necessárias para desacelerar os aumentos de preços com vista à meta anual de 2%.

Finanças reembolsam 2.677 milhões de euros de IRS

Até 30 de junho, foram entregues cerca de 5,6 milhões de declarações de IRS.
Comentários