Vendas no comércio a retalho aumentam 3,7% em novembro

Já os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas cresceram, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, 2,2%, 4% e 1,3%, respetivamente.

O índice de volume de negócios no comércio a retalho aumentou, em termos homólogos, 3,7% em novembro, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“O agrupamento produtos não alimentares teve um aumento de 4,3% em novembro, mais 1,1 pontos percentuais [p.p.] que o registado em outubro, enquanto o de produtos alimentares desacelerou 1,2 p.p., para 3%”, refere o relatório publicado esta manhã.

Em outubro, a taxa de variação deste índice – que tem como objetivo mostrar a evolução do mercado de bens e serviços neste setor – havia sido um ponto percentual inferior (3,6%).

Segundo o organismo de estatística nacional, a variação em cadeia do índice agregado foi de 0,8% em novembro, quando tinha sido de 2,5% no mês anterior. “O índice do agrupamento produtos Alimentares passou de uma variação mensal de 1,5% em outubro para -1,0% em novembro, enquanto o de produtos não alimentares abrandou, de 3,3% para 2,3%”, explicam também os técnicos do INE.

Já os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas cresceram, comparativamente ao mesmo mês do ano passado, 2,2%, 4% e 1,3%, respetivamente. No mês anterior, as percentagens foram de 2,4%, 5% e 1,6%, pela mesma ordem.

Recomendadas

“Taxa Amazon”. Barcelona prepara-se para taxar empresas de entregas

A cidade espanhola deverá aplicar uma taxa às empresas que circulem no espaço público para entregar encomendas online. Medida abrange empresas com mais de um milhão de euros em receitas anuais e deverá encaixar cerca de 3 milhões nos cofres da autarquia.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Minipreço diz que lança o primeiro saco de plástico que protege os oceanos, mas é virtual

A cadeia de supermercados Minipreço, no sentido de alertar para a imprescindibilidade de reduzir o consumo de plástico, nomeadamente sacos e descartáveis, diz que foi criado “um saco de plástico virtual que, ao invés de prejudicar a natureza, auxilia na sua preservação através de donativos”.
Comentários