Vendas a retalho na União Europeia sobem 3,5% em outubro face a 2015

O crescimento deveu-se ao aumento de 4,9% em bens não-alimentares, 2,5% em “alimentação, bebidas e tabaco” e 1,7% em combustíveis para automóveis. Em Portugal o aumento foi de 3,3%.

De acordo com os dados revelados esta segunda-feira, pelo Eurostat, as vendas a retalho na União Europeia (EU) em outubro, aumentaram 3,5% face ao mesmo mês de 2015. Na zona Euro (ZE) o aumento no mesmo período foi de 2,4%.

Na UE, o crescimento nas vendas a retalho deveu-se ao aumento de 4,9% em bens não-alimentares, 2,5% em “alimentação, bebidas e tabaco” e 1,7% em combustíveis para automóveis.

Os maiores aumentos entre os países da UE, em relação ao ano passado verificaram-se no Luxemburgo (+16,0%), Roménia e Eslovénia (+8,7%) e Lituânia (+8,3%). A Bélgica registou um decréscimo de 1,9%. Portugal registou um crescimento de 3,3%.

Em termos de variação mensal, o comércio a retalho na ZE subiu 1,1% em outubro face a setembro e 1,2% na EU. Esta subida das vendas a retalho na ZE deve-se aos produtos não-alimentares de 2,3%. A alimentação, bebidas e tabaco tiveram uma evolução de 0,2%. Já os combustíveis para automóveis caíram 1,0%.

Na comparação mensal, Portugal registou um aumento de 1,5%, atrás da Eslovénia (+3,7%), Luxemburgo (+2,9%), Alemanha (+2,4%), Reino Unido (+2%) e Polónia (+1,8%).

Nos países em que registaram variações negativas, Malta (-0,5%) liderou, seguida da Irlanda (-0,4%), Hungria (-0,3%), Eslováquia (-0,2%) e Espanha (-0,1%).

 

Recomendadas

Preços na produção industrial caem 2% em outubro

“O Índice de Produção Industrial registou uma variação homóloga de -2,0%, taxa 2,3 pontos percentuais (p.p.) inferior à observada em setembro”, refere o INE numa nota publicada esta sexta-feira, acrescentando que, com exceção da energia, todos os grandes agrupamentos industriais apresentaram variações homólogas inferiores às observadas no mês anterior.

PremiumAfinal, pensão de mil euros vai subir mais 60 euros do que o previsto

Tanto a inflação que conta para o aumento das pensões, como o crescimento económico superaram as expectativas, obrigando o Governo a atualizar as pensões acima do que estava previsto.

Supervisor do BCE insta bancos a prepararem-se para “impactos adversos” (com áudio)

O presidente do Conselho de Supervisão do Banco Central Europeu (BCE), Andrea Enria, instou hoje os bancos da zona euro a preparem-se para “impactos adversos”, admitindo uma “possível recessão” devido à vulnerável situação económica, exacerbada pela crise energética.
Comentários