Vendo as coisas pelo lado positivo

2021 foi mais um ano difícil. Quando nos aproximamos da quadra festiva, é tentador olhar para trás e concentrarmo-nos apenas nos momentos difíceis.

2021 foi mais um ano difícil. Quando nos aproximamos da quadra festiva, é tentador olhar para trás e concentrarmo-nos apenas nos momentos difíceis. No entanto, no meu último artigo deste ano, gostaria de refletir sobre algumas das muitas coisas positivas que o Reino Unido e Portugal alcançaram em conjunto, apesar dos desafios que o ano de 2021 nos colocou.

Em primeiro, a COP26 em Glasgow, a maior conferência do mundo durante a pandemia. Os obstáculos ao seu sucesso foram enormes, mas a COP26 foi uma notável conquista global. Portugal aprovou a sua Lei das Bases do Clima no Parlamento durante a Cimeira, e anunciou o encerramento da sua última central de carvão pouco depois. Queremos continuar a defender o clima lado a lado com o nosso mais antigo aliado no próximo ano, incluindo na Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, em Lisboa.

O sucesso sem paralelo do programa de vacinação português tornou possível a organização de eventos presenciais. James Heappey, Secretário de Estado Britânico para as Forças Armadas, visitou Lisboa, onde reafirmou os fortes laços de defesa com o nosso mais antigo aliado, e falou sobre oportunidades de cooperação em matéria de defesa no Atlântico, em África e com empresas britânicas. Em setembro, Wendy Morton, Secretária de Estado para Europa e Américas, fez a sua primeira visita oficial a Portugal e marcou presença na estreia de No Time to Die em Lisboa. Algumas semanas mais tarde, Lord Frost esteve em Lisboa para fazer um importante discurso sobre as relações entre o Reino Unido e a UE.

Recomendadas

A voz da metamorfose

Arquitetos e urbanistas são chamados a desenhar soluções criativas integradas em estratégias maiores, onde é dada voz a uma consciência social e política que tem especial atenção a contextos sociais diversificados.

Portugal perde com a Roménia e falha ‘final four’

As grandes transformações económicas e sociais de que o país precisa para corrigir a trajetória da divergência em relação à Europa não dependem da quantidade de dinheiros comunitários. Depende da conceção estratégica que se quer para Portugal.

Uma estagnação sem mistério

Nem numa área que é querida pelo Governo e que se tornou mais urgente e importante com a invasão da Ucrânia, a energia renovável, a administração pública funciona.
Comentários