Venezuela e a IATA avaliam restabelecimento de ligações aéreas internacionais

O Ministério de Transporte da Venezuela fez o anúncio na sexta-feira, no final de um encontro entre várias autoridades do país, como o presidente do Instituto Nacional de Aeronáutica Civil (INAC), o lusodescendente Juan Teixeira Díaz, a vice-ministra de Turismo Internacional, Letícia Gómez, representantes do Ministério de Turismo, da Associação de Agências de Viagens e Turismo (AVAVIT) e da Associação de Linhas Aéreas da (ALTA) e responsáveis da IATA.

As autoridades venezuelanas e a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, sigla em inglês) estão a avaliar o restabelecimento das ligações aéreas internacionais, condicionadas desde o início da pandemia da Covid-19.

O Ministério de Transporte da Venezuela fez o anúncio na sexta-feira, no final de um encontro entre várias autoridades do país, como o presidente do Instituto Nacional de Aeronáutica Civil (INAC), o lusodescendente Juan Teixeira Díaz, a vice-ministra de Turismo Internacional, Letícia Gómez, representantes do Ministério de Turismo, da Associação de Agências de Viagens e Turismo (AVAVIT) e da Associação de Linhas Aéreas da (ALTA) e responsáveis da IATA.

“O objetivo do encontro foi trabalhar em conjunto com os setores do turismo e da aviação venezuelanos para iniciar grupos de trabalho com a IATA para abordar planos que garantam a rápida e total restauração da conectividade aérea no país, devido ao papel de liderança do transporte aéreo como eixo transversal para a promoção e reforço da economia” venezuelana, disse o Ministério de Transporte, em comunicado.

Entretanto, a companhia aérea venezuelana Turpial anunciou que prevê retomar, a partir de segunda-feira e depois de dois anos e oito meses de suspensão, as operações aéreas entre Caracas e Bogotá.

O anúncio teve lugar depois de o Governo venezuelano ter dado ‘luz verde’, em finais de setembro, ao reinício dos voos entre a Venezuela e a Colômbia.

A imprensa local noticiou que o reinício dos voos foi adiado em duas ocasiões, alegadamente devido a constrangimentos provocados pelas sanções impostas pelos Estados Unidos à Venezuela e por exigências em matéria de aviação internacional.

Na terça-feira, num encontro em Caracas, os Presidentes da Colômbia e da Venezuela debateram como “articular as políticas de aproximação entre ambos países”.

Ao finalizar o encontro, Nicolás Maduro e Gustavo Petro assinaram uma declaração sobre cooperação bilateral na segurança fronteiriça, no combate ao narcotráfico, nas áreas do transporte terrestre, aéreo, fluvial e marítimo, na energia e na exploração mineira.

Os governantes anunciaram a intenção de retomar as operações aéreas e o transporte de Caracas entre a Venezuela e a Colômbia.

Em 29 de agosto, a Venezuela e a Colômbia renovaram formalmente as relações diplomáticas, interrompidas há três anos, com a chegada a Caracas do embaixador colombiano nomeado por Petro, para apresentação de credenciais.

Além da troca de embaixadores, o processo prevê a reabertura completa da fronteira de mais de dois mil quilómetros que separa os dois países, totalmente fechada para veículos desde 2015 e reaberta apenas para pedestres desde o final de 2021.

Em fevereiro de 2019, Nicolás Maduro cortou relações diplomáticas e políticas com a Colômbia, que acusou de apoiar os Estados Unidos num golpe de Estado contra o regime venezuelano.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários