Venezuela: Guterres saúda acordo entre Governo e oposição

Num comunicado divulgado pelo seu gabinete, Guterres expressou o compromisso da ONU em apoiar o Governo e a oposição da Venezuela na aplicação do acordo, que considerou um “marco importante” com potencial de gerar benefícios mais amplos para o povo venezuelano.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou hoje o acordo assinado no sábado entre o Governo e a oposição venezuelanos que permitirá destinar recursos do Estado para iniciativas que garantam proteção social e assistência humanitária à população.

Num comunicado divulgado pelo seu gabinete, Guterres expressou o compromisso da ONU em apoiar o Governo e a oposição da Venezuela na aplicação do acordo, que considerou um “marco importante” com potencial de gerar benefícios mais amplos para o povo venezuelano.

António Guterres encorajou as partes a permanecerem comprometidas com as negociações e com novos acordos que abordem os desafios políticos, sociais e dos direitos humanos, segundo o porta-voz Farhan Haq.

O Governo e a oposição da Venezuela assinaram no sábado, no México, um segundo acordo parcial em matéria de proteção social, nos termos das negociações reatadas entre as duas partes.

O acordo, que visa desbloquear recursos que a Venezuela tem congelados no estrangeiro para poder ajudar as populações mais vulneráveis, determina que Governo e oposição terão de cooperar ao nível de despesas humanitárias, como o pagamento de projetos de assistência médica ou a reparação de redes elétricas.

Suspensas por mais de um ano, as negociações entre Governo e oposição venezuelanos foram reatadas após a intervenção da Colômbia e dos Estados Unidos.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse no sábado que o acordo alcançado representa um “novo capítulo” no avanço para “a paz e o bem-estar” dos venezuelanos.

Reagindo a partir de Miami, nos Estados Unidos, a organização que representa os venezuelanos no exílio por motivos políticos, a Veppex, reprovou a retoma das negociações, considerando que o Governo de Maduro obtém vantagens sem “nenhuma concessão que beneficie os venezuelanos” e que a plataforma unitária que agrega uma das oposições beneficia “o regime de Maduro e os seus aliados internacionais”.

Portugal saudou hoje a retoma das negociações venezuelanas, assinalando que devem conduzir à realização de eleições “livres e justas” e ao “pleno restabelecimento das instituições democráticas”.

Recomendadas

Rodrigo Pacheco reeleito presidente do Senado do Brasil

Apesar de não ser do Partido dos Trabalhadores, o candidato eleito era apoiado pelo novo presidente Inácio Lula da Silva.

EUA: Powell reconhece primeiros sinais de alívio na inflação, mas é “prematuro declarar vitória”

O presidente da Fed afastou cortes de juros este ano, embora admita que a inflação começa a dar sinais de abrandamento. O caminho ainda é longo e a ‘aterragem suave’ continua em cima da mesa, tal como uma taxa terminal abaixo de 5%.

Papa critica “forças internas e externas” que causam violência na RDCongo

O Papa Francisco pediu para os habitantes “não se deixarem seduzir por pessoas ou grupos que incitem à violência”, criticando as forças “externas e internas” que causam violência no país.
Comentários