Venezuela: Maduro quer relançar programa Petrocaribe em 2020

O programa Petrocaribe permite aos países caribenhos adquirir petróleo venezuelano a preços mais baixos. O presidente da Venezuela referiu que a iniciativa é “fundamental para a segurança energética” da região e apontou o relançamento para o primeiro semestre de 2020.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, quer relançar o programa Petrocaribe, em 2020, que permite aos países caribenhos adquirir petróleo venezuelano a preços mais baixos.

Num discurso em Havana, Maduro disse que a iniciativa é “fundamental para a segurança energética” da região e apontou o relançamento para o primeiro semestre de 2020.

O Presidente venezuelano falava no encerramento da 17.ª cimeira da Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), na capital cubana.

O anúncio surge num momento de pressão dos EUA sobre a indústria petrolífera venezuelana. Washington impôs este ano sanções à petrolífera estatal venezuelana (PDVSA) e aos navios que transportam combustível, especialmente para Cuba.

A Petrocaribe foi criada em 2005 por iniciativa do Governo venezuelano e em 2013 estabeleceu vínculos com a Alba para ir além do petróleo e promover a cooperação económica regional.

O programa tem sido fundamental para Caracas obter o apoio político dos países do Caribe que são beneficiados pela iniciativa.

Cuba também recebe petróleo bruto de Caracas a preços subsidiados, embora os embarques tenham sido substancialmente reduzidos nos últimos anos devido à crise venezuelana.

A Alba reúne ainda a Antígua e Barbuda, Dominica, Nicarágua, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Granada e São Cristóvão e Nevis.

O Equador retirou-se no ano passado porque o Governo do atual Presidente, Lenin Moreno, não apoia a posição do bloco perante a crise na Venezuela e os protestos na Nicarágua.

A Bolívia abandonou o bloco há um mês, por decisão do Executivo interino, que assumiu o poder após a renúncia de Evo Morales.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/economia-da-venezuela/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”37″ slug=”economia-da-venezuela” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/economia-da-venezuela/thumbnail?version=1572019099535&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários