Venha de lá esse desconto e já, se faz favor

Os descontos diretos são a oferta mais valorizada pelos consumidores nesta época natalícia. A conclusão é do Observador Cetelem.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

“Mais vale um pássaro na mão do que dois a voar”. É com esta predisposição parecem estar os portugueses neste Natal. Com efeito, o Observador Cetelem, unidade do BNP Paribas Personal Finance, instituição especializada no financiamento a particulares, dá conta que 74% dos inquiridos diz que os descontos diretos nos produtos são a oferta que mais apreciam nas suas compras de Natal. Uma percentagem superior em seis pontos percentuais à registada no ano passado (68%).

Em contrapartida, o cash back, ou seja, o reembolso de parte do valor pago, ou em linguagem metafórica, os dois pássaros a voar, é a segunda oferta mais valorizada (28%).

Se face ao ano passado os descontos diretos nos produtos conquistaram mais consumidores, o mesmo não se poderá dizer relativamente ao cash back. Esta oferta, que agora é preferida por apenas 28% dos consumidores, conquistava, em 2014, quase metade dos portugueses (42%).

No terceiro lugar da lista de ofertas mais valorizadas nas compras de Natal surge o crédito sem juros, que este ano conquista 20% dos inquiridos, um pouco mais do que no ano passado (15%).

Ainda que menos representativas, as mensalidades reduzidas e o início de pagamento dois meses depois da compra são também ofertas que alguns consumidores apontam. Cerca de 4% dos inquiridos confessam valorizar mais as mensalidades reduzidas e 3% afirmam apreciar o início de pagamento dois meses após a compra.

Segundo o Observador Cetelem verifica-se ainda uma maior intenção de utilizar cartões de fidelidade. Este ano, a maioria dos portugueses (62%) pretende utilizar este tipo de cartões nas compras de Natal. No ano passado, a percentagem de consumidores era de apenas 44%.

A apetência pelo desconto imediato – venha ele e já, se faz favor! poderá significar uma maior    atenção dada ao dinheiro ou mesmo uma maior racionalidade nos gastos. Ambas interpretações  são positivas, considerando que o consumo desenfreado alicerçado no crédito já teve resultados que convém não esquecer tão cedo.

Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem, elogia o comportamento dos portugueses: “Este forte interesse dos consumidores pelas diferentes modalidades de pagamento revela um comportamento de consumo mais inteligente. Os portugueses procuram, cada vez mais, usar as ferramentas de que dispõem para suavizar a fatura das suas compras, tanto no Natal, como no resto do ano”.

Definitivamente, sim, mais vale um pássaro na mão…

Por Almerinda Romeira/OJE

Recomendadas

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.

Governo quer atualizar os escalões do IRS em 5,1% em 2023

O Governo decidiu rever em alta o referencial dos aumentos salariais, puxando-o para o valor do aumento da massa salarial da Função Pública: 5,1%. Será esse o número que será usado para atualizar os escalões do IRS.