Veniam: uma startup balançada entre o Porto e Nova Iorque

Ligar os automóveis entre si, o que os coloca como radares de dados e informação à solta pela cidade, foi o primeiro desafio da empresa liderada por João Barros. Agora, o limite é a utopia. Ou a bolsa de Nova Iorque.

Tornou-se conhecida dos portuenses e mais tarde do resto do país por ter arranjado uma engenhosa forma de colocar wifi no interior dos autocarros da STCP – transformando-os numa espécie de extensão das salas de estar particulares da cidade – mas já antes disso tinham dado mostras de serem uma tecnológica com grande potencial. A Veniam aposta forte na mobilidade e na conexão entre automóveis e para o seu CEO e fundador, João Barros, a visão de uma cidade percorrida apenas por carros autónomos – subtraídos à influência negativa dos erros de condução que se verificam a todo o momento em todo o lado – ainda é uma utopia. Mas uma utopia que é possível e que está ali ao virar da próxima nuvem – o sítio para onde a empresa envia terabites de dados que são posteriormente partilhados.

Em princípio era para ser tudo diferente: João Barros estava acantonado numa confortável carreira docente de professor catedrático na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, até ter descoberto que a sua vocação era outra coisa.”A Veniam é uma spin off da universidade de Aveiro, do Porto e do Instituto de Telecomunicações”, que em 2011 descobriu que “tínhamos uma tecnologia muito disruptiva, que permitia montar redes em veículos, ligando-os uns aos outros, com acesso à internet”, o que permitia agregar enormes quantidades de dados sobre a própria cidade, em tempo real. João Barros e Susana Sargento, da Universidade de Aveiro estavam onde queriam.

A apresentação do projeto no prestigiado MIT parece ter mudado tudo. Não no projeto – que estava já bem balanceado – mas nas portas que se abriram, a partir daí. E abriram-se muitas: a tecnologia – software inteligente de rede – encantou principalmente os grupos construtores de automóveis o que fez com que, quase naturalmente, cinco anos depois, a Venian tivesse ellan  suficiente para levantar 30 milhões de dólares de capital de risco, a maior vinda de Silicon Valley, na Califórnia. No quadro acionista, é quase só gente famosa: True Ventures, Verizon, Cisco, Orange, Yamaha e Liberty Global.

Aos 42 anos, João Barros, que nasceu em Coimbra e tem uma empresa que está instalada no Porto – onde trabalham 53 colaboradores, cerca de 80% do total – em Detroit, Munique e Tóquio, considera que “os portugueses são demasiado modestos”, uma vez que “temos muito boa reputação no setor automóvel”, entre outros, só nos esquecendo de que também é preciso ‘saber vender’ o know how nacional.

Mas de vendas, João Barros considera que sabemos pouco. Foi esse, aliás um dos problemas que detetou na empresa. Será por certo por isso que a Veniam tem executivos de vendas de origem alemã, norte-americana e japonesa. Passa-se o contrário com as engenharias: “em certos nicos, somos os melhores”, afirma, o que o leva a afirmar que a academia nacional ainda tem algum caminho a fazer até tornar-se uma entidade com todas as ‘skills’ que importam no mundo global e brutalmente competitivo onde, quer queira quer não, está inserida.

“A universidade devia aumentar em muito o número de estudantes universitários nas engenharias”, até porque João Barros está convencido que “Portugal é um país de startups” que se vai afirmando nas mais diversas áreas. Como a Farfetch, por exemplo – que, desde que entrou na bolsa de Nova Iorque, tem servido como uma espécie de estrela-guia que ilumina a utopia das outras startups nacionais. “a Farfech é muito motivadora para o ecossistema da inovação nacional”, assume o fundador da Veniam.

Impunha-se por isso a pergunta: para quando a Veniam na bolsa? Longe de ser um caminho que amedronta, é possivelmente o caminho que a empresa acabará por seguir. E não é por causa de qualquer dificuldade em levantar dinheiro para novos investimentos: o elenco acionista permite um regime de investimentos que não é um problema. A bolsa – a de Nova Iorque, como é evidente – é por isso um projeto que não está no radar imediato, mas é uma hipótese que, pelas palavras de João Barros, está equacionado como um movimento que, a seu tempo, fará todo o sentido.

Mas isso é lá mais para a frente, no futuro: uma altura em que, espera o engenheiro de eletrónica e computadores, o Estado se preocupe em gastar mais dinheiro nas universidades e no apoio à investigação, e os automóveis que circularem na cidade do Porto forem uma zona de lazer, que os passageiros usam para trabalhar, ler ou simplesmente não fazer nenhum.

Recomendadas

Disney lança serviço de subscrição com publicidade a mais de 100 marcas

Os assinantes da Disney+ nos Estados Unidos têm, a partir desta quinta-feira, uma opção de televisão com anúncios entre os filmes e as séries.

Aeroporto de Lisboa. “Senhores políticos, simplesmente deixem que as obras avancem”, pede líder da APAVT

Pedro Costa Pereira, presidente da Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo deixou o apelo na abertura do congresso. “Não evitarão a vergonha, que se colou a todos os que contribuíram para a atual situação, mas pelo menos mitigarão as consequências deste processo tão trágico como ridículo”, afirmou.

Turismo. Programa Apoiar será reforçado com 70 milhões de euros a partir de 1 janeiro

A informação foi anunciada pelo novo secretário de Estado do Turismo, Nuno Fazenda, durante o 47.º Congresso da APAVT, no qual deu ainda conta de uma linha de 30 milhões de euros para dar resposta às microempresas para se financiarem no Turismo de Portugal.
Comentários