Ventos favoráveis ainda sopram em Wall Street

O S&P 500 valoriza 0,34%, para 2.497,51 pontos; o tecnológico Nasdaq sobe 0,17%, para 6.299,30 pontos; e o industrial Dow Jones ganha 0,58%, para 23.271,96 pontos.

Reuters

A volatilidade parece ter apaziguado em Wall Street. Depois de uma recuperação de última hora em cima do fecho da sessão de quinta-feira, a bolsa de Nova Iorque abriu hoje em alta, com os três principais índices a negociarem no ‘verde’.

O S&P 500 valoriza 0,34%, para 2.497,51 pontos; o tecnológico Nasdaq sobe 0,17%, para 6.299,30 pontos; e o industrial Dow Jones ganha 0,58%, para 23.271,96 pontos.

Recorde-se que o S&P 500 registou mínimos dos últimos 20 meses no início desta semana e esteve à beira de entrar em bear market. No entanto, na quarta-feira, os três principais índices da bolsa de Nova Iorque registaram a maior subida dos últimos anos., a que se somaram os ganhos no encerramento da sessão de quinta-feira. Durante a sessão de ontem, o S&P 500, por exemplo, chegou a tombar 2,8%, mas “ergueu-se” já em cima do fecho, acabando a sessão a valorizar 0,8%.

Os futuros, que anteciparam o início da sessão, registaram um desempenho positivo, alimentando as expectativas favoráveis para a abertura da bolsa norte-americana.

Ao nível das empresas, destaque para a subida de 3% do preço das ações da Tesla depois de terem sido anunciados “dois reforços” para o board da construtora elétrica: Larry Ellison, fundador da Oracle, e Kathleen Wilson-Thompson, diretora global para os recursos humanos da aliança entre a Wallgreens  e a Boots.

Também a Amazon, segundo noticia o “The Wall Street Journal”, está a valorizar 1,69%  depois de a gigante do ecommerce ter iniciado conversações com a Sincliar Broadcast Group para, em conjunto, transmitirem os jogos da equipa de baseball de Nova Iorque, os New York Yankees.

Segundo Peter Cardillo, economista na Spartan Capital Securities, em Nova Iorque, em declarações à Agência Reuters, o mercado “pode ter registado mínimos temporários e é provável que se assista a uma subida até ao Ano Novo”.

Numa altura em que faltam duas sessões em 2018, será o ambiente geopolítico que vai atrair a atenção dos investidores.

Cardillo disse ainda que a compra e venda de ações será suportada pelas notícias de que a China vai importar arroz norte-americano antes do desfecho das negociações comercias entre os dois países.

Internamente, nos Estados Unidos, o shutdown do governo norte-americano continua a ser o principal fator de risco a pesar na mente dos investidoes.

Nas matérias-primas, o petróleo também está a registar ganhos, em especial o West Texas Intermediate (+0,85%), para 44,99 dólares. Em Londres, o barril de Brent, referência mundial e para o mercado europeu, valoriza 0,29%, para 52,31 dólares.

(atualizada)

Relacionadas

Ganhos de Nova Iorque ainda se sentem em Lisboa e na Europa

O PSI 20 segue no ‘verde com uma subida ligeira de 0,63%, para 4.616,53 pontos. O petróleo está a subir 2%.

Bolsas tiveram um ano difícil e já receiam 2019

O início de 2018 foi encarado com otimismo pelos mercados bolsistas a nível mundial. Passavam poucos dias de fevereiro e o S&P, DAX e PSI 20 já acumulavam uma perda entre 10% e 12%.

Wall Street abre no ‘verde’ antes da última reunião da Fed

Wall Street abre com ganhos antes da última reunião da Reserva Federal norte-americana.
Recomendadas

‘Green bonds’. EDP avança com nova emissão de 500 milhões

Em menos de 24 horas, a EDP anuncia que vai aos mercados buscar mil milhões para financiar projetos de energias renováveis.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.

“A Reserva Federal tem corrido atrás do prejuízo”. Veja o “Mercados em Ação”

A Fed reuniu de emergência na segunda-feira. Esta semana no “Mercados em Ação”, o subdiretor do JE, André Cabrita-Mendes, juntamente com Marco Silva, consultor de estratégia e investimento, e Nuno Sousa Pereira, da Sixty Degrees, analisam os efeitos das próximas decisões do banco central norte-americano.
Comentários