Vestuário português: Espanha está a comprar menos mas há mercados em crescimento

Espanha e Reino Unido apresentam as maiores quedas de exportações, enquanto Itália, Países Baixos e EUA compensam as perdas.

No final de 2018, as exportações de vestuário atingiram os 3,14 mil milhões de euros e mantiveram o ciclo de crescimento que dura há nove anos. Ainda que o mercado de vendas para Espanha esteja em queda, a diversificação dos mercados garantiu um resultado positivo para o sector do vestuário.

Ao longo do ano passado, as exportações portuguesas no setor de vestuário somou mais 1,4% comparativamente com o ano de 2017, o que proporcionou mais um ano de crescimento que se verifica desde 2010.

O mercado espanhol e o britânico registaram as maiores quebras, -4,5% e -6,1%, respetivamente, nas exportações. No entanto, o mercado italiano, holandês e norte-americano, +48,6%, +18,6% e +18,4%, por ordem, compensaram com um aumento.

César Augusto, presidente da direção da Associação Nacional das Indútrias de Vestuário e Confeção, destacou que o crescimento foi “resultado de um caminho árduo de diversificação de mercados que as empresas assumiram há alguns anos”. O presidente sublinha que apesar de se confirmar a queda de Espanha, “continua a ser o nosso principal mercado de exportação” mas que esta diminuição “foi compensada pela subida em outros mercados, nomeadamente Itália e EUA, que procuram artigos com maior valor acrescentado”.

A Áustria (-17,9%), a Alemanha (-3,6%) e a Bélgica (-2,0%) também são países que apresentam quebras. O Canadá (+116,0%) e Malta (105,8%) representam o maior aumento de exportações.

Recomendadas

Martín Tolcachir nomeado CEO Global do Grupo Dia

Tolcachir assumirá a estratégia da empresa a nível global e liderará a execução da estratégia de aceleração para o crescimento em todos os países onde opera, revela o grupo.

Seca no rio Reno põe em risco transporte de mercadorias

Os patrões alemães consideram que o governo federal, juntamente com os vários estados federados, o sector da logística e as empresas industriais, “deve estabelecer um sistema de monitorização próximo para reagir prontamente” ao baixo nível das águas.

Falta de gelo? Mercadona sem limitação de vendas nas lojas em Portugal

Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.
Comentários