Vice-almirante Gouveia e Melo eleito personalidade do ano pela imprensa estrangeira em Portugal (com áudio)

Segundo a presidente da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal, “a escolha do vice-almirante Gouveia e Melo não demorou a conquistar o apoio da maioria dos profissionais”.

Lusa

O antigo coordenador da task force para a vacinação contra a Covid-19, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, foi escolhido como personalidade do ano pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP).

Em comunicado, a AIEP diz que escolheu o vice-almirante “como vencedor da 32ª edição Prémio Personalidade do Ano – Martha de la Cal”. “O galardão tem como objetivo distinguir a pessoa ou a instituição que mais contribuiu para promover a imagem de Portugal no estrangeiro durante o ano”, explica a Associação.

“O sucesso da estratégia de vacinação de Portugal foi notícia em todo o mundo. Os nossos correspondentes dedicaram muitas reportagens ao tema, que suscitou enorme interesse no exterior. Por isso, a escolha do vice-almirante Gouveia e Melo não demorou a conquistar o apoio da maioria dos profissionais”, justificou a jornalista Giuliana Miranda, presidente da AIEP.

Por sua vez, o vencedor do prémio reagiu ao prémio agradecendo a quem ajudou no processo. “Agradeço o prémio que representa um esforço nacional onde todos contribuíram”, sublinhou o vice-almirante Gouveia e Melo.

Em anos anteriores, a AIEP escolheu nomes como o escritor José Saramago, a fadista Mariza, os Capitães de Abril e o antigo Presidente da República Mário Soares.

Este não é o primeiro prémio do vice-almirante Gouveia e Melo, nem a primeira vez em que o seu trabalho é reconhecido pela imprensa estrangeira. A 19 de agosto, o Presidente da República condecorou o vice-almirante pelo seu serviço à população portuguesa e ao trabalho desenvolvido enquanto responsável pela task force da vacinação.

“O Presidente da República condecorou, em cerimónia restrita no Palácio de Belém, o Vice-Almirante Henrique Gouveia e Melo e o Tenente-General Eurico Justino Craveiro, com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis, pelas suas carreiras militares”, apontava a Presidência da República.

Depois, a 4 de outubro, Gouveia e Melo foi galardoado com o Prémio de Mérito e Excelência do XXV Globos de Ouro, que posteriormente entregou ao Ministério da Saúde, dado que a entidade trabalhou em conjunto com a task force com o objetivo final de vacinar toda a população nacional contra o vírus.

Quanto ao reconhecimento internacional, a 1 de outubro foi destacado nas páginas do New York Times. Nessa altura, o jornal norte-americano enalteceu o sucesso da campanha de inoculação portuguesa e a importância da task force militar para lidar com a questão.

De recordar que, de momento, o vice-almirante cessou funções, existindo agora um Núcleo de Coordenação de Apoio ao Ministério da Saúde para a vacinação, que tem ajudado as entidades da saúde na administração de vacinas contra a gripe e contra a Covid-19 nos postos de vacinação espalhados pelo país.

Relacionadas

Gouveia e Melo na Madeira para explicar plano de vacinação e resposta à pandemia da Covid-19 (com áudio)

O militar que liderou a task-force para combate à Covid-19 é o convidado da Assembleia da Madeira numa conferência com o tema “A experiência portuguesa no combate à Covid-19”.

Gouveia e Melo: “Sistemas informáticos do Ministério da Saúde não estavam preparados para o desafio” da vacinação

O ex-coordenador da ‘task force’ para o plano de vacinação contra a Covid-19 recorda que o processo em Portugal foi “um grande desafio”. Atualmente, cerca de 86% da população está vacinada contra o vírus fazendo de Portugal o país com a maior cobertura vacinal do mundo.
Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários