Vieira da Silva foi vice-presidente da Assembleia-Geral da Raríssimas

José António Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, foi vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas, entre 2013 e 2015.

Cristina Bernardo

José António Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, foi vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas, entre 2013 e 2015, de acordo com o Público. De acordo com o Público, fonte do gabinete do ministro sublinhou que o cargo foi ocupado ainda antes de este integrar o atual Governo e remeteu mais declarações para a conferência de imprensa, que começou às 15h.

Desde a reportagem da TVI, emitida no sábado, que revelou irregularidades nas contas da IPSS Raríssimas, o nome de Vieira da Silva está sob forte escrutínio. O ministro terá sido alertado pelo ex-tesoureiro da Raríssimas, Jorge Nunes, de que a instituição funcionava com graves anomalias – muito antes da reportagem da estação de Queluz ir para o ar -, mas nada fez para averiguar a situação. Outro facto alvo de suspeição, de acordo com a peça da TVI, é a ligação da sua mulher, e deputada do PS, Sónia Fertuzinhos, que terá feito uma viagem até à Noruega paga pela Associação.

A passagem pela Raríssimas é o único cargo numa IPSS que consta da declaração de registos de interesses que Vieira da Silva divulgou e que pode ser consultada na página do Parlamento.

Numa primeira reação, no domingo, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social declarou, em comunicado, que vai “avaliar a situação” da Raríssimas e “agir em conformidade”.

De acordo com a investigação da TVI, a presidente da instituição, Paula Brito e Costa, usou fundos da Raríssimas em proveito próprio: além de comprar vestidos de alta-costura, terá feito compras de supermercado e criado despesas fictícias de deslocação, apesar de se deslocar num automóvel de alta gama, pelo qual a Raríssimas paga mais de 900 euros por mês. A esses valores, soma-se ainda um salário base de três mil euros mais 1500 euros em deslocações. Ao todo, Paula Brito Costa chegou a auferir mais de 6500 euros, por mês.

Relacionadas

Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.

Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Página de Facebook e site da associação Raríssimas bloqueados

A reportagem da jornalista da TVI Ana Leal, com imagem de Nuno Quá, grafismo de Rui Ribeiro e edição de imagem de João Pedro Ferreira, revelou documentos e testemunhos que põem em causa a gestão da associação por parte da sua presidente.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Raríssimas: Ministro Vieira da Silva conhecia irregularidades desde outubro

O Ministério da Segurança Social disse, em comunicado, que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Marques Mendes: “Impunha-se mandar fazer já uma inspeção pelo Instituto da Segurança Social à Raríssimas”

O comentador levou neste domingo à SIC os temas da Associação Raríssimas; a ida de Centeno para o Eurogrupo e impacto na política nacional; o debate parlamentar com a ausência das perguntas dos deputados sobre o parecer da PGR pedido por António Costa sobre o julgamento de Manuel Vicente.
Recomendadas

Eutanásia: Marcelo afirma que decidirá “rapidamente” e aponta para alturas do Natal

O Presidente da República garantiu hoje que decidirá rapidamente sobre a lei da despenalização da morte medicamente assistida, que deverá ser aprovada sexta-feira no parlamento, quando receber o documento, apontando a altura do Natal como data provável.

Lisboa aprova orçamento municipal para 2023 com abstenção de PS, IL e PAN

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou a proposta de orçamento para 2023, com votos a favor de PSD, CDS-PP, MPT, PPM e Aliança, a abstenção de PS, PAN e IL e os votos contra dos restantes deputados.

Governo anuncia Fórum Social do Porto em maio

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus anunciou a realização em maio de 2023 do Fórum Social do Porto, para fazer o seguimento da Cimeira Social realizada durante a presidência portuguesa da União Europeia.
Comentários