Viktor Orbán volta a incendiar comunidade muçulmana da Bósnia-Herzegovina

O líder da Hungria, que tem visita oficial à Bósnia-Herzegovina marcada para o final de janeiro, continua a avisar para os perigos de a União incorporar no seu bloco dois milhões de muçulmanos bósnios.

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, voltou a incendiar os ânimos da comunidade muçulmana da Bósnia-Herzegovina depois de afirmar que a União Europeia deve ter presente que o alargamento do bloco aos países dos Balcãs equivale a agregar um país com dois milhões de crentes islamitas.

Não é a primeira vez que palavras de Orbán denunciam o pouco apresso pela possibilidade da presença de uma tão numerosa comunidade islâmica no interior da União Europeia, o que lhe tem valido fortes reprimendas de outros países europeus.

Como resposta, as autoridades bósnias e líderes religiosos muçulmanos denunciaram a sugestão do primeiro-ministro húngaro – e de um seu porta-voz, Zoltan Kovacs – de que a integração da Bósnia-Herzegovina à União Europeia será um desafio devido à sua grande população muçulmana. Ao mesmo tempo, a comunidade muçulmana quer desencadear processos para boicotar a visita de Orbán a Sarajevo e à Bósnia-Herzegovina, prevista para 25 de janeiro do próximo ano.

Zoltan Kovacs, tuitou que “o desafio com a Bósnia é como integrar um país com 2 milhões de muçulmanos”. Orbán disse, num discurso público em Budapeste, capital da Hungria que “estou a fazer o meu melhor para convencer os grandes líderes da Europa de que os Balcãs podem estar mais longe deles que da Hungria, mas como administrar a segurança de um estado onde vivem dois milhões de muçulmanos é uma questão fundamental para sua segurança de todos”.

A reação na Bósnia-Herzegovina foi aguda, com alguns partidos bósnios a pedirem a proibição da planeada visita oficial de Orban a Sarajevo e o chefe da comunidade muçulmana, o Grande Mufti Husein Kavazovic, chamou as suas declarações de “xenófobas e racistas”.

“Se tais ideologias se tornam a base sobre a qual as políticas de uma Europa unida se baseiam, então isso leva-nos de volta aos tempos em que a unidade europeia deveria ser construída sobre ideologias fascistas, nazis, violentas e genocidas semelhantes às que levaram ao Holocausto e a outros crimes horríveis”, disse, em comunicado citado por vários jornais.

O membro bósnio da presidência tripartida do país, Sefik Dzaferovic, classificou a declaração de Orban “vergonhosa e rude”. “Não é um desafio para a União integrar dois milhões de muçulmanos (bósnios), porque somos um povo europeu indígena que sempre viveu aqui e somos europeus”, disse.

A Bósnia-Herzegovina, composta por bósnios, sérvios e croatas, está a passar por mais uma grave crise política: com o apoio tácito da Rússia e da Sérvia, os sérvios bósnios (concentrados na República Srpska, parte integrante da Bósnia-Herzegovina) estão a ameaçar formar o seu próprio exército e novas autrtidades judiciárias e tributárias. Na prática, se isso suceder, será o mesmo que uma declaração de independência da República Srpska em relação ao todo da Bósnia-Herzegovina – o que fará reavivar os temores de outro colapso sangrento do país balcânico.

Viktor Orbán tem sido apontado como um dos ‘cúmplices’ dessa possível independência da República Srpska, nomeadamente dando apoio a Milorad Dodik, membro da presidência tripartida pelo lado da República Srpska – que tem derivado de posições moderadas para uma forte defesa do separatismo entre os três blocos da Bósnia-Herzegovina.

Durante o seu discurso público Orban disse que a Hungria não apoiaria as sanções da União Europeia contra Milorad Dodik, como tem ameaçado a Alemanha e alguns outros estados-membros por causa das suas posições separatistas.

“Sarajevo [que se encontra na fronteira, tecnicamente inexistente, entre o lado sul da República Srpska e a Bósnia-Herzegovina] perdeu a coragem, está a ser atacada por todos – Sérvia, Croácia, Eslovénia e agora Hungria. Sem mencionar a Rússia”, disse Dodik esta semana, referindo-se ao apoio que teria recebido desses países.

Orban, conhecido pelas suas políticas anti-imigração e particularmente anti-imigração-muçulmana, também tem apoiado a rápida adesão da Sérvia à União Europeia, liderada pelo cada vez mais autocrático presidente Aleksandar Vucic.

Recorde-se que mais de 100 mil pessoas foram mortas e milhões ficaram na situação de refugiados durante a guerra de 1992-95 na Bósnia-Herzegovina, quando os sérvios bósnios então liderados por Radovan Karadzic e pelo militar Ratko Mladić – apoiados por Slobodan Miloševic, na altura presidente da Sérvia – tentaram criar territórios etnicamente puros para os unir à vizinha Sérvia. Os snipers que sitiaram Sarajevo nessa altura, assassinando indiscriminadamente os habitantes de Sarajevo, continuam a ser uma das maiores vergonhas coletivas da União Europeia e o único genocídio registado na Europa depois de 1945.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários