Vinci, dona da ANA Aeroportos, lucra 1,9 mil milhões no primeiro semestre

A francesa Vinci, que é dona da ANA – Aeroportos de Lisboa, reportou um lucro líquido consolidado de 1.900 milhões de euros no primeiro semestre, resultando num lucro por ação de 3,34 euros. As receitas consolidadas no primeiro semestre de 2022 totalizaram 28,5 mil milhões de euros, mais 26%.

A francesa Vinci, que é dona da ANA – Aeroportos de Lisboa, reportou um lucro líquido consolidado atribuível aos acionistas de 1.900 milhões de euros no primeiro semestre, resultando num lucro por ação de 3,34 euros. “Isto representa um aumento muito acentuado em relação ao primeiro semestre de 2021 (altura em que foi de 682 milhões) e face ao primeiro semestre de 2019 (quando somou 1.359 milhões)”, diz a empresa.

As demonstrações financeiras da Vinci para a primeira metade de 2022 mostram um aumento significativo das receitas e ganhos em comparação com a primeira metade de 2021, levando-as acima dos níveis pré-pandémicos, diz o grupo em comunicado.

O grupo francês detém a Vinci Energies, a Vinci Construction, a Vinci Concessions, a Cobra IS (que foi comprada pela Vinci e que era o ramo de energia do Grupo ACS), a Vinci Immobilier, a Vinci Autoroutes e a Vinci Airports.

“Além do impacto positivo da integração de Cobra IS, os ganhos na Vinci Energies e Vinci Construction continuaram a aumentar. Houve também uma melhoria considerável dos ganhos nos Vinci Aeroportos e na Vinci Autoroutes (autoestradas). O free cash flow (fluxo de caixa) foi ligeiramente negativo devido a variações sazonais do negócio, que tradicionalmente têm um impacto adverso no início do ano, bem como uma base muito alta para comparação”, explica o grupo.

As receitas consolidadas no primeiro semestre de 2022 totalizaram 28,5 mil milhões de euros, um aumento de 26% em relação ao primeiro semestre de 2021 e um aumento de 12% numa base comparável. As alterações do perímetro – principalmente a integração de Cobra IS, que foi adquirida no final de 2021 – aumentaram as receitas em 13%.

As oscilações das taxas de câmbio tiveram um impacto positivo de 1%, devido em particular à apreciação do dólar americano em relação ao euro. Pela primeira vez, a Vinci gerou mais receitas nas operações internacionais (53% no primeiro semestre de 2022 contra 45% no primeiro semestre de 2021) do que em França.

As receitas das concessões totalizaram 4,2 mil milhões de euros, um aumento de 43% numa base real em comparação com a primeira metade de 2021. As receitas da Vinci Autoroutes ascenderam a 2,8 mil milhões de euros, mais 18% em comparação com a primeira metade de 2021 e mais 8% em comparação com a primeira metade de 2019.

O negócio da gestão dos aeroportos (onde se inclui o de Lisboa) geraram uma receita total de 1,1 mil milhões de euros, três vezes superior à da primeira metade de 2021 e 18% abaixo numa base comparável com a primeira metade de 2019.

As receitas nas autoestradas Vinci – que compreendem principalmente a Lima Expresa (estrada circular de Lima no Peru) e Gefyra (ponte Rion-Antirion na Grécia) – foram de 146 milhões de euros, acima do seu nível do primeiro semestre de 2019.

A Vinci Energies gerou receitas de 7,8 mil milhões de euros, mais 8% numa base real e mais 6% numa base comparável em comparação com o primeiro semestre de 2021. O crescimento das empresas acelerou no segundo trimestre (as receitas aumentaram 10% numa base real) tanto em França como internacionalmente, apesar de uma base elevada para comparação e de problemas persistentes na cadeia de abastecimento. Em França (45% do total), as receitas foram de 3,5 mil milhões de euros, mais 7% numa base real ou 6% numa base comparável. Fora de França (55% do total), as receitas foram de 4,2 mil milhões de euros, um aumento de 10% numa base real e de 5% numa base comparável. As receitas aumentaram na Europa, América do Norte e Oceânia.

As receitas da Cobra IS, que opera quase exclusivamente fora de França, ascenderam a 2,7 mil milhões de euros, sendo 46% provenientes de Espanha e 36% da América Latina. A atividade foi impulsionada por uma boa dinâmica no seu negócio de fluxos – particularmente em Espanha, Peru, México e Colômbia – e em projetos EPC (Engineering, Procurement and Construction), tais como linhas de transmissão de energia no Brasil. Neste país, iniciaram-se os trabalhos no parque solar de Belmonte, na Região Nordeste. Este ativo, desenvolvido pela Cobra IS, terá uma capacidade de quase 570 MW e é provável que comece a produzir eletricidade em 2023.

As receitas da Vinci Construction totalizaram 13,5 mil milhões de euros, mais 11% numa base real e mais 8% numa base comparável em comparação com a primeira metade de 2021. Sendo que em França (47% do total), as receitas foram de 6,4 mil milhões de euros, o que traduz um aumento de 4%. Na construção, o negócio foi impulsionado por vários desenvolvimentos importantes na região de Paris no setor não residencial.

Fora de França (53% do total), as receitas foram de 7,1 mil milhões de euros, a crescer 18% e 12% numa base comparável. As receitas foram impulsionadas pela “rampa de produção” de vários grandes contratos obtidos nos últimos anos, incluindo dois pacotes de obras na linha ferroviária de alta velocidade HS2 no Reino Unido, projetos de autoestradas e ferroviários na América do Norte, Austrália e Nova Zelândia, e obras preparatórias na ligação fixa Fehmarnbelt entre a Alemanha e a Dinamarca.

As receitas consolidadas da Vinci Immobilier ascenderam a 726 milhões de euros. Mantendo-se quase inalterada (menos 2%) em comparação com a primeira metade de 2021, apesar de uma base elevada para comparação.

O EBITDA totalizou 4.526 milhões de euros (3.132 milhões de euros na primeira metade de 2021), muito acima do seu nível da primeira metade de 2019 (3.625 milhões de euros) e equivalente a 15,9% das receitas em comparação com 16,7% em 2019.

Os resultados operacionais das atividades correntes (Ebit) foi de 2.890 milhões de euros (1.598 milhões de euros na primeira metade de 2021), superior ao valor do primeiro semestre de 2019 de 2.289 milhões de euros, incluindo 1.899 milhões de euros em concessões, o dobro do nível observado na primeira metade de 2021 e ligeiramente superior ao da primeira metade de 2019.

Após dois anos de perdas devido à crise pandémica, os Aeroportos Vinci voltaram a registar resultados positivos ao nível do Ebit (380 milhões de euros).

A retoma do número de passageiros nos Aeroportos da Vinci continuou e acelerou durante a primeira metade em quase todos os aeroportos da rede. O número de passageiros está agora muito próximo dos seus níveis pré-pandémicos em vários aeroportos geridos pela Vinci Airports, particularmente em Portugal e nas Américas, avança a empresa.

Em comunicado a dona da ANA diz que globalmente, o número de passageiros dos Aeroportos geridos pela Vinci foi 54% do nível de 2019 no primeiro trimestre de 2022 e 73% no segundo, subindo para 75% em junho.

No conjunto do primeiro semestre de 2022, a rede movimentou 80 milhões de passageiros, três vezes o número verificado no mesmo período de 2021 e 64% do valor do primeiro semestre de 2019 (73% para aeroportos totalmente consolidados).

Na área da Vinci Concessões destaque para a operação em Portugal. A Vinci Concessions e Lineas – cujo principal acionista é a Mota-Engil – exerceram o seu direito de preferência na aquisição da participação de 17,2% da Atlantia na Lusoponte, que detém concessões para duas pontes sobre o rio Tejo em Lisboa até 2030. A Vinci Concessions passou assim a deter uma participação de 49,5% na Lusoponte, O que dá a si e ao seu sócio o controlo conjunto da empresa.

Destaca-se ainda que em julho de 2022, a Vinci Airports anunciou que tinha assinado um acordo com o governo de Cabo Verde para gerir os sete aeroportos do arquipélago sob concessão. Durante um período de 40 anos, a Vinci Airports e a sua filial portuguesa ANA serão responsáveis pelo financiamento, exploração, manutenção, ampliação e modernização destes aeroportos.

As disposições financeiras do projeto deverão estar concluídas até meados de 2023, altura em que a nova empresa concessionária começará a operar os aeroportos.

Além disso, a Vinci Airports assumiu as operações nos sete aeroportos da Região Norte do Brasil (incluindo o aeroporto de Manaus) e no aeroporto Annecy Mont Blanc em janeiro e fevereiro de 2022.

CEO diz que desempenho da Vinci no semestre foi “muito sólido”

Xavier Huillard, Presidente e CEO da Vinci,  explicou no comentário que “o desempenho global da Vinci foi muito sólido no primeiro semestre de 2022, com quase todas as linhas de negócio a gerarem receitas e ganhos acima dos níveis pré-pandémicos”.

“Os ganhos e o fluxo de caixa nos Aeroportos Vinci recuperaram espetacularmente devido à subida do número de passageiros e ao impacto dos planos de redução de custos. O número de passageiros está agora muito próximo dos níveis de 2019 em muitos aeroportos da rede”, acrescentou.

“Os níveis de tráfego dos Vinci Autoroutes foram superiores aos de 2019, tanto para veículos ligeiros como pesados. Embora o aumento dos preços dos combustíveis esteja a afetar a tendência para os veículos ligeiros, a tendência para os veículos pesados continua a ser positiva”, disse o CEO.

“A Vinci Energies atingiu níveis de negócios mais elevados e melhorou a sua margem operacional. Este excelente desempenho resultou da forte posição da empresa em alguns mercados muito dinâmicos, tais como os que abordam os temas da transição e digitalização energética, e da eficiência da organização descentralizada da empresa” salientou o presidente executivo do grupo.

“A integração da Cobra IS na Vinci após a sua aquisição em finais de 2021 vai ser planeada, e esta linha de negócio está a mostrar um impulso comercial particularmente forte. Nas energias renováveis, alguns novos projetos com uma capacidade total de cerca de 1 GW entraram na fase de construção ou estão prestes a fazê-lo na América Latina”.

Segundo Xavier Huillard “a Vinci Construction manteve bons níveis de negócio, impulsionada pela sua presença internacional mais forte. A sua margem operacional, que demonstrou resiliência, melhorou no período”.

“Apesar de uma abordagem mais seletiva a novas encomendas devido à inflação de custos, a entrada de encomendas manteve-se firme e os livros de encomendas continuam a ser muito robustos. Como resultado, o Grupo tem boa visibilidade sobre os seus futuros níveis de negócios, apesar de um ambiente económico mais incerto”, refere o CEO.

“No que respeita à expansão, as principais transações concluídas no primeiro semestre de 2022 disseram respeito ao negócio da Energia, uma aquisição feita na América do Norte no negócio da Construção e vários aumentos das participações relacionadas com os ativos do negócio das Concessões”, revela.

“Com base nestes fortes desempenhos, Vinci confirma a sua orientação, esperando que o rendimento líquido do ano inteiro seja mais elevado em 2022 do que os níveis pré-pandémicos registados em 2019”, frisou o presidente do grupo.

Xavier Huillard diz ainda que a “Vinci continua confiante na sua capacidade de manter uma trajetória de crescimento consistente. Para além de um modelo de negócios particularmente resiliente que envolve uma combinação de negócios complementares com ciclos diferentes e uma presença geográfica diversificada, o Grupo está também bem equipado para lidar com o actual contexto inflacionário”.

O Conselho de Administração da Vinci, presidido por Xavier Huillard, reuniu-se a 28 de Julho de 2022 para finalizar as demonstrações financeiras consolidadas para o semestre findo a 30 de Junho de 2022. O Conselho aprovou o pagamento de um dividendo provisório de 1,0 euros por acão para 2022, a ser pago a 17 de Novembro de 2022.

Recomendadas

PremiumGestores bancários sem tarimba a gerir períodos inflacionários

Estudo sobre o sector bancário europeu feito pela consultora estratégica Oliver Wyman considera que as instituições financeiras podem não estar preparadas para os impactos do aumento da inflação e do abrandamento da economia na atividade.

Alojamento local em expansão no Douro ajuda a diversificar oferta turística

O alojamento local no Douro está em expansão e contribui para a diversificação da oferta turística neste território, existindo atualmente 714 unidades em atividade.

TAP nega acusação do sindicato dos pilotos e diz que gasta menos com alugueres face a 2018 e 2019

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) acusou, esta quarta-feira, a gestão da TAP de “desperdiçar” as receitas do verão com “milhões de erros” ao longo do ano, como a contratação externa de serviços.
Comentários