Vinhos portugueses no top 100 da Wine Spectator

Portugal volta a ser o país distinguido com o vinho mais barato, que não chega aos 10 euros.

São quatro os vinhos portugueses que figuram no top 100 da Wine Spectator. Embora nenhum apareça na lista dos 10 primeiros, Portugal volta a ser o vinho mais barato entre a centena de vinhos premiados.

É uma das listas mais aguardadas pelos produtores vinícolas a nível mundial e, este ano, a nível nacional lidera a região do Dão. O ‘Quinta de Cabriz’, colheita de 2014, não chega aos 10 euros e foi nomeado para a 46ª posição no ranking. O editor da Wine Spectator, Kim Marcus, descreve este vinho como tendo “sabores concentrados de cerveja escura, ameixa assada e framboesa seca”.

Na lista, a nível nacional, seguem-se três vinhos todos eles provenientes do Alto Douro Vinhateiro: o vinho ‘Evel 2014’ tinto (50ª posição), o ‘Carm Reserva’ tinto de 2012 (69ª posição) e o ‘Lemos & van Zeller Quinta Vale D. Maria’ de 2013 (80ª posição). Os preços destes três vinhos variam entre os 10 e os 65 euros.

No topo da tabela está o vinho norte-americano do Napa Valley, ‘Lewis Cabernet Sauvignon’, de 2013.

Recomendadas

João Gonzalez é um dos cinco nomeados para os Prémios do Cinema Europeu 2022

Com 34 prémios e mais de 90 seleções oficiais de festivais de todo o mundo, o filme de João Gonzalez, “Ice Merchants”, é agora um dos cinco nomeados para os Prémios do Cinema Europeu, na categoria de Melhor Curta-Metragem. A 10 de dezembro serão conhecidos os vencedores.

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.
Comentários