Violação dos direitos humanos “não é política do Estado angolano”, diz Governo

A secretária de Estado da Justiça para os Direitos Humanos e Cidadania afirmou hoje que Angola acompanha as denúncias relativas à violação dos direitos humanos, sublinhando que são “procedimentos individuais”, e não uma política do Estado angolano.

José Sena Goulão / EPA

Em declarações à Lusa, à margem de uma cerimónia de assinatura de contratos de direitos humanos da delegação da União Europeia (UE), Ana Celeste Januário comentou o relatório da organização Human Rights Watch (HRW), divulgado na semana passada, expressando as preocupações do governo sobre o tema.

Notando que a HRW não tem presença em Angola, a secretária de Estado disse que “estes relatórios trazem sempre algumas imprecisões”, embora admita que “há preocupações” sobre o assunto e acrescentou que a Estratégia Nacional de Direitos Humanos contempla “ações muito especificas relativamente a estas matérias”.

Ataques à liberdade de imprensa, violência policial e detenções arbitrárias em Angola são algumas das denúncias no relatório da HRW sobre os direitos humanos em 2022, que coincidiu com ano eleitoral no país africano.

Sobre a atuação policial, Ana Celeste Januário sublinhou que existe um protocolo com a Polícia Nacional, para a formação de agentes, sendo seguidos todos os casos em que “há má atuação”.

“Não é política de Estado em matéria de direitos humanos que se violem os direitos humanos, que se viole a dignidade de qualquer cidadão, na maior parte das vezes são procedimentos individuais e quebras de protocolo”, frisou.

Quanto à liberdade de imprensa e acesso à informação, a secretária de Estado garantiu também que são seguidos os casos denunciados.

“O trabalho que temos estado a fazer é centrado na prevenção, para que não ocorra nenhuma violação (de direitos humanos) em nenhuma área, mas, infelizmente isso nem sempre é possível na maior parte dos países do mundo e a própria HRW faz esta referência”, salientou a responsável.

Ana Celeste Januário explicou que o primeiro passo é sempre verificar a veracidade da informação, fazendo-se depois o acompanhamento.

“Há casos que, às vezes, parecem de violação ou má atuação, mas depois verifica-se que não há nenhuma intervenção do Estado, nem por ação ou inação”, prosseguiu, salientando que quando os casos são confirmados deve haver responsabilização.

Por isso, em 2022 começou também a ser desenvolvido um sistema de denúncia para que haja também uma resposta e “que o cidadão não sinta que há impunidade e sinta efetivamente a mão do Estado”.

A governante referiu ainda que, no campo dos direitos humanos, o Governo tem promovido fóruns de diálogo com a sociedade civil, e mecanismo de diálogo bilaterais com as instituições, bem como a publicação de relatórios.

Recomendadas

Angola arrecadou 1,95 mil milhões de dólares com a venda de diamantes em 2022

Segundo o chefe do departamento de Planeamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatísticas do Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Alexandre Garret, do total de diamantes produzidos no ano passado, 8,71 milhões de quilates são provenientes da produção industrial e os restantes da semi-industrial.

Ucrânia. EUA respeitam posição de Moçambique, mas rejeitam neutralidade

“Não podemos ser neutros quando há um país que ataca outro, em particular quando esse país é membro do Conselho de Segurança da ONU”, referiu, numa alusão à Rússia.

Moçambique. EUA querem “redobrar esforços” para combater terrorismo

“Temos de redobrar esforços para repelir o terrorismo e atividades que afetam cidadãos como os de Cabo Delgado e estamos a trabalhar de perto com o Governo sobre esse assunto”, referiu a diplomata em conferência de imprensa antes de deixar a capital moçambicana.
Comentários