Vírus transportado por musaranhos deixa doentes dezenas de pessoas na China

Não são conhecidas provas de que possa existir transmissão entre seres humanos, até porque, tanto quanto se sabe, os pacientes não tiveram contacto próximo, segundo revelaram os investigadores.

Um vírus transportados pelos musaranhos fez 35 pessoas adoecerem na região leste da China. Todos os doentes – na sua maioria agricultores – têm um historial recente de contacto com os animais, segundo noticia a “Bloomberg”.

Não são conhecidas provas de que possa existir transmissão entre seres humanos, até porque, tanto quanto se sabe, os pacientes não tiveram contacto próximo, segundo revelaram os investigadores.

O patógeno, que dá pelo nome de Langya henipavirus, é da mesma família dos virus mortais Nipah e Hendra, mas ainda não se regista qualquer morte. Os pacientes sentiram fadiga, tosse perda de apetite e dores, tendo-se registado anormalidades nas células sanguíneas e sinais de danos no fígado e nos rins.

Os testes revelaram que 27% dos musaranhos analisados estavam infetados com o vírus. No entanto, fica a faltar mais investigação para melhor compreender a infeção, referiram investigadores de Beijing, Singapura e Austrália.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários