Vista Alegre conclui aumento de capital com procura de 147% da oferta

O aumento de capital foi realizado através de um processo de accelerated bookbuilding, tendo a VAA garantido um encaixe de 15,24 milhões de euros. Esta operação surge dias depois da Vista Alegre ter concluído uma emissão obrigacionista, que lhe permitiu pagar empréstimos à banca.

A Vista Alegre Atlantis (VAA) concluiu hoje um aumento de capital, tendo encaixado cerca de 15 milhões de euros e registando uma procura de 146,6%, e fixou o preço das novas ações em um euro, de acordo com um comunicado.

“Tendo-se registado uma procura total que representou cerca de 146,6% do montante da oferta, o aumento de capital social no montante de 12.192.731,20 euros foi integralmente subscrito, pelo que o capital social da Vista Alegre passará de 121.927.316,80 euros para 134.120.040,00 euros, com a emissão de 15.240.914 novas ações ordinárias, escriturais e nominativas, com valor nominal unitário de 0,80 euros”, avançou o grupo em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O preço da colocação foi mais baixo do intervalo a que a Vista Alegre admitiu alienar as ações (entre 1 e 1,15 euros).

A VAA revelou que o “preço final por cada nova ação foi fixado em 1,00 euro, a que corresponde um encaixe bruto de cerca de 15.240.914,00 euros dos quais 12.192.731,20 euros a título de valor nominal e 3.048.182,80 euros a título de prémio de emissão”.

Esta operação foi destinada a investidores institucionais. A realização deste aumento de capital tem como objetivo “contribuir para a diversificação da base acionista da sociedade”, bem como para conseguir a “otimização de fontes de financiamento e o reforço do balanço e dos capitais próprios da Vista Alegre” diz o comunicado que adianta que a liquidação da oferta deverá ocorrer em 10 de dezembro de 2019.

A VAA irá pedir à Euronext Lisbon a admissão das novas ações à negociação no mercado regulamentado Euronext Lisbon, “prevendo-se que a mesma ocorra tão brevemente quanto possível após o registo comercial do aumento de capital, isto é, no dia 13 de dezembro de 2019 ou em data próxima”, lê-se na mesma nota.

Na quarta-feira a CMVM decidiu suspender a negociação das ações da VAA, que anunciou a operação nesse dia. Mas hoje a CMVM levantou a suspensão da negociação das ações VAA – Vista Alegre Atlantis.

Esta sexta-feira realiza-se a sessão especial de bolsa para a apresentação dos resultados do aumento de capital da empresa liderada por Nuno Marques.

No ano passado a Vista Alegre retirou uma operação de aumento de capital. A empresa detida pela Visabeira pretendia colocar em bolsa mais de 21 milhões de títulos, mas não foi bem-sucedida, acabando por deixar cair a operação. As condições de mercado justificaram o insucesso na oferta. Esta operação iria render cerca de 17 milhões de euros.

Em outubro deste ano, a empresa realizou uma emissão obrigacionista de 50 milhões de euros, que lhe permitiu pagar uma dívida de cerca de 40 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos e ao BCP. Estas dívidas à banca impediam a Vista Alegre de pagar dividendos pelo que a expectativa é que volte a remunerar os acionistas.

Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários