Vista Alegre com prejuízo de 1,5 milhões até setembro

O volume de negócios consolidado do Grupo Vista Alegre Atlantis ascendeu a 53,3 milhões de euros, um crescimento de 6% face ao período homólogo de 2015.

O Grupo VAA divulgou, em comunicado à CMVM, os resultados até ao final de setembro. A Vista Alegre Atlantis obteve um prejuízo de 1,5 milhões de euros, uma melhoria de 68% face aos 4,6 milhões de euros negativos obtidos em igual período de 2015.

O volume de negócios consolidado da VAA nos primeiros nove meses de 2016 ascendeu a 53,3 milhões de euros, o qual, representa um crescimento de 6% quando comparado com os 50,2 milhões de euros verificados nas contas do período homólogo de 2015, que se explica por uma “aposta numa estratégia de internacionalização” e a “uma evolução bastante positiva (no mercado nacional) de 10%, fruto da estratégia de crescimento do negócio nas lojas próprias”.

Nos primeiros nove meses de 2016, a Vista Alegre obteve um EBITDA de 4,7 milhões de euros verificando-se um crescimento de 51% face a igual período de 2015. A margem EBITDA foi de 8,8%, um aumento 2,6 pontos percentuais em relação ao ano passado. O aumento ficou a dever-se “essencialmente à boa performance operacional e comercial, traduzindo-se num aumento substancial do volume de negócios”.

O grupo informou ainda que, “o mercado externo representa já 67% do volume de negócios do Grupo VAA, e que as novas coleções continuam a ser reconhecidas internacionalmente, tendo recebido várias distinções de design, reforçando a presença e a qualidade da marca no exterior”.

Em relação ao futuro, “a VAA vai manter o foco na inovação e investigação e desenvolvimento, que lhe permitam uma maior diversificação de produtos, para alcançar um maior número de clientes através de canais de distribuição mais variados. A internacionalização vai continuar a ser o foco do Grupo”.

Recomendadas

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.

“Sector do turismo nunca terá uma recessão”, defende vice-presidente do BCP

O economista Augusto Mateus lembrou também que os Governos europeus financiaram quase toda a despesa pública relacionada com a crise pandémicas com a “criação monetária”. Já Jorge Rebelo de Almeida, presidente da Vila Galé, trouxe para o debate a necessidade de se promover a fusão das PME, para ganharem escala e massa crítica. Tudo na VI Cimeira do Turismo.
Comentários