Vistos ‘gold’. Mais de 6 mil milhões de euros captados em 10 anos. Compra de imóveis pesa 89%

Mais de 6.609 milhões de euros foram captados através dos vistos ‘gold’ em 10 anos do programa, com a compra de imóveis a representar 89% do montante, segundo contas feitas pela Lusa com base em dados do SEF.

O programa de Autorização de Residência para o Investimento (ARI), ou vistos ‘gold’ como é comummente conhecido, foi lançado em outubro de 2012 e, ao fim de 10 anos, está a ser avaliada a sua continuidade pelo Governo.

Desde que foi lançado até outubro último, foram captados mais de 6.609 milhões de euros. Desde montante, 89% corresponde à compra de bens imóveis, que no final do mês passado somava mais de 5.927 milhões de euros.

Desde total, a compra de bens imóveis com vista à reabilitação urbana somava, em termos acumulados, mais de 503 milhões de euros.

O investimento resultante da transferência de capitais atinge mais de 682 milhões de euros em 10 anos.

No que respeita aos vistos ‘dourados’ atribuídos desde a sua criação foram concedidos 10.393 para compra de imóveis (1.409 para reabilitação urbana), 848 para transferência de capitais e 22 por criação de postos de trabalho.

Os vistos ‘dourados’ concedidos mediante o critério de criação de postos de trabalho têm um peso inexpressivo em 10 anos de programa, representando 0,19%.

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento estrangeiro, foram atribuídos 11.263 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016, 1.351 em 2017, 1.409 em 2018, 1.245 em 2019, 1.182 em 2020, 865 em 2021 e 1.009 em 2022.

Por nacionalidades, a China soma quase metade (46%) dos concedidos numa década (5.209), seguida do Brasil (1.148), Turquia (534), África do Sul (483) e Estados Unidos (495).

Em 10 anos de programa, os vistos atribuídos a cidadãos dos Estados Unidos representam pouco mais de 4% do total.

Desde o início do programa foram atribuídas 18.479 autorizações de residência a familiares reagrupados.

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ em outubro recuou 4,5% em termos homólogos e 34% em cadeia para 44,3 milhões de euros

Em 02 de novembro, durante uma visita à Web Summit, o primeiro-ministro, António Costa, disse que o Governo está a avaliar a continuidade do regime de vistos ‘gold’, admitindo que, “provavelmente, já cumpriu a função que tinha a cumprir e que neste momento não se justifica mais manter”.

Entretanto, em 09 de novembro, durante o debate na especialidade do Orçamento do Estado para 2023 (OE2023), o ministro da Economia, António Costa Silva, afirmou que o Governo está a criar um grupo de trabalho com os ministérios da Economia, dos Negócios Estrangeiros e da Administração Interna para avaliar o fim do programa.

“Na sequência do anúncio do senhor primeiro-ministro, está a ser criado um grupo de trabalho com o Ministério da Economia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Ministério da Administração Interna”, disse António Costa Silva, acrescentando que, “nesta altura, não há nenhuma decisão” tomada.

No mesmo dia, a APEMIP – Associação dos Profissionais das Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal pediu ao Governo para não cessar o programa dos vistos ‘gold’, apontando que tal seria “uma decisão incongruente” e que os imóveis transacionados ao abrigo do programa representam “apenas 0,6%” desde o início do programa.

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.
Comentários