PremiumVítor Pataco processa antecessor

O presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) vai processar o seu antecessor, Augusto Baganha, por “diversas afirmações, insinuações e acusações”, que colocam em causa o seu bom nome.

O presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) vai processar o seu antecessor, Augusto Baganha, por “diversas afirmações, insinuações e acusações”, que colocam em causa o seu bom nome. Em comunicado, Vítor Pataco diz que está em causa   a entrevista concedida por Baganha, que foi exonerado da presidência do IPDJ, à SIC, durante a qual “proferiu diversas afirmações, insinuações e acusações que, sem qualquer fundamento, remetem para supostos factos que não correspondem minimamente à verdade”.

Augusto Baganha fez também declarações ao Público onde sinalizou favorecimentos à “máquina do PS” e em “pressões” de clubes desportivos depois de começarem a ser castigados e multados.

“As referidas acusações colocam em causa o meu bom nome, a minha ética profissional e a minha responsabilidade no exercício de funções públicas, produzindo consequências que o Dr. Augusto Baganha não podia deixar de antecipar, por terem sido proferidas em estação televisiva, em horário nobre de audiência, o que manifestamente levaria, como levou, à sua posterior ampla divulgação por outros órgãos e meios de comunicação social”, avançou Pataco.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Sergio Pérez vence GP de Singapura de Fórmula 1

O piloto mexicano, da Red Bull, adiou a conquista do título por parte do companheiro de equipa, Max Verstappen, que foi sétimo.

Miguel Oliveira vence GP da Tailândia

O piloto português, da KTM, venceu este domingo o Grande Prémio da Tailândia de MotoGP, 17.ª de 20 provas da temporada. O francês Fabio Quartararo, da Yamaha, mantém a liderança do campeonato.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários