Viveiro de Lojas do Funchal regista aumento de 60% nas vendas diretas

Foi iniciada mais uma edição do Viveiro de Lojas, uma iniciativa da Câmara do Funchal que tem por objetivo dar aos artesãos um local físico para a comercialização de produtos e teste de mercado.

O Viveiro de Lojas do Funchal registou um aumento de 60% nas vendas diretas, disse a vice-presidente da Câmara Municipal do Funchal. A autarquia estabeleceu um protocolo com o Fórum Madeira de modo a ajudar os empreendedores a divulgarem os seus trabalhos noutro espaço físico para além do Viveiro de Lojas, de forma gratuita, e sublinha que em breve será assinado um novo protocolo com outra empresa.

Este projeto foi criado pela Câmara do Funchal com o objetivo de dar aos artesãos um local físico para a comercialização de produtos e teste de mercado, e também incentivar “à inovação, ao empreendedorismo, à diversificação do tecido empresarial local e ainda o fomento do networking“.

A terceira fase do Viveiro de Lojas iniciou-se na passada quarta-feira e vai durar até seis meses. Para esta fase foram apresentadas 30 candidaturas, tendo sido selecionados sete projetos empresariais, nas categorias de moda, decoração, artes, saúde e bem-estar, refere a autarquia.

A quarta edição do Viveiro de Lojas inicia-se em maio de 2023.

A vice-presidente da Câmara do Funchal lembrou que os empresários têm ao seu dispor vários programas como por exemplo o Re-Abrir, que “possibilita um apoio a fundo perdido de 50% do valor da renda, durante seis meses, no caso de quererem investir num novo espaço, além de um prémio de mil euros para acomodar alguns investimentos de remodelação”.

Recomendadas

A sustentabilidade e a solidariedade com as gerações futuras

As organizações contemporâneas acreditam que tornar os negócios sustentáveis ​​é ético, moral e, sobretudo, a forma mais correta de agir, considerando os desafios globais e os valores de uma sociedade desenvolvida.

Presidente da Assembleia da Madeira alerta para “completa desregulação” do mercado da informação

O presidente da Assembleia Regional disse que o jornalismo de referência vive na “amargura de uma profunda crise financeira”, reforçando que se “não for mais apoiado” pelos Estados e pelos Governos, corre-se “sérios riscos de ameaças à democracia”.

Secretário da Economia considera que a Madeira tem “os melhores indicadores económicos de sempre”

A expetativa do governante é de que este ano a região melhore esses resultados, atingindo um novo máximo no PIB, e atraindo mais visitantes e comércio.
Comentários