Vivó Sporting

Nunca percebi nada da bolsa. Só sei que se joga e se perde. Sempre ouvi dizer que quem manda nas bolsas são os mercados. Para quem está longe, como eu, nos últimos dias, as notícias de Portugal são escassas, mas é sempre possível ver os jornais na net, e aí se percebeu que o Novo […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Nunca percebi nada da bolsa. Só sei que se joga e se perde. Sempre ouvi dizer que quem manda nas bolsas são os mercados. Para quem está longe, como eu, nos últimos dias, as notícias de Portugal são escassas, mas é sempre possível ver os jornais na net, e aí se percebeu que o Novo Banco não foi vendido.
Foi adiada a sua venda. Mas será que algum dia será vendido?
Com os prejuízos que teve no primeiro semestre, com as múltiplas ações judiciais que já correm, e aquelas que aí virão por convite do Sr. Primeiro-Ministro aos lesados, tudo isto vai fazer correr muita água debaixo das pontes e os prejuízos do Fundo de Resolução vão acabar por cair no nosso colo, apesar de não ser isso que nos querem fazer crer.

O sistema bancário absorverá os prejuízos… alguém acredita?
O meu banco já começou a preparar-se. Começou a cobrar encargos pela gestão de contas à ordem, valores trimestrais, mesmo para quem tenha saldos significativos.
Aliás, o valor das ações dos bancos nacionais em Bolsa é assustador!
Mas, uma coisa sei, as ações do meu Sporting em bolsa, valem mais que a soma das ações de alguns bancos. E isso, baralha-me mais uma vez…

Então, onde jogar na bolsa? E onde colocar o mealheiro que vamos fazendo para a reforma?
Em ações do Sporting? Em bancos nacionais? Em bolsas estrangeiras?
Ainda nos últimos dias se viu o que aconteceu às ações de um dos maiores grupos automóveis mundiais.
Mas nada disto preocupa alguns dos governos europeus. As cidades Holandesas, por exemplo, estão com grandes obras, guindastes por todo o lado. Será investimento privado? Ou público? A estação de comboios de Utrecht está toda em obras.

Cada vez percebo menos de políticas públicas? Ou será que nós, nos próximos anos, não as podemos fazer, para os outros as fazerem! Tipo vasos comunicantes. Nós pagamos juros e com eles, alguns dos países europeus fazem-nas. A mesma visão tive quando visitei Berlim.
Quem nos explica? E quem nos acode?

Jacinto Gameiro
Advogado

Recomendadas

Desistência ou insistência nacionais?

A distribuição de poder dentro do espaço que delimita um país tem sido central no estudo da organização humana e política do Homem.

Foco na capitalização das empresas ultrapassa o domínio fiscal

Apesar das medidas de incentivo à capitalização das empresas irem no caminho certo, os desafios só poderão ser superados através do uso de instrumentos mais “interventivos”, os quais por sua vez exigem mudanças da mentalidade empresarial em geral.

CSRD: mais siglas, mais regulação, mais sustentabilidade. Vamos passar à ação!

Uma das novidades é a consagração da verificação da informação por terceiros. Com o objetivo de evitar o ‘greenwashing’ e garantir que as organizações divulgam informações verdadeiras.