Vodafone garante que vai respeitar eliminação dos metadados das comunicações

A CNPD ordenou aos fornecedores de telecomunicações que eliminem, em 72 horas, os metadados das comunicações abrangidos pela lei 32/2008, após publicação do acórdão que declarou inconstitucional algumas normas.

A Vodafone garantiu este sábado que vai respeitar a ordem da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) para a eliminação dos dados pessoais conservados ao abrigo da lei 32/2008, depois de algumas normas terem sido declaras inconstitucionais.

“A conduta da Vodafone é sempre de atuar no respeito pelas normas em vigor”, assegurou fonte oficial da operadora, em resposta à Lusa.

A CNPD ordenou aos fornecedores de telecomunicações que eliminem, em 72 horas, os metadados das comunicações abrangidos pela lei 32/2008, após publicação do acórdão que declarou inconstitucional algumas normas.

Numa nota divulgada, na quinta-feira, no seu ‘site’, a CNPD revelou ter decidiu, em reunião do passado dia 07, ordenar aos fornecedores de serviços de comunicações eletrónicas ou da rede pública de comunicações “a eliminação dos dados pessoais conservados” ao abrigo daquela lei, na sequência de acórdão do Tribunal Constitucional (TC) sobre metadados.

Segundo a CNPD, é “ilícito que as operadoras mantenham o tratamento de dados autónomo”, criado especificamente pela chamada “lei de retenção de dados”, com “um vasto conjunto de dados pessoais, incluindo dados de tráfego e de localização de todas as comunicações, para fins de investigação, deteção e repressão de crimes graves”.

A CNPD referiu que da publicação do acórdão do TC sobre a matéria, em 03 de junho último, resulta “a impossibilidade da aplicação” da lei de retenção de dados por nulidade da mesma.

A lei 32/2008, de 17 e junho, já tinha sido considerada inválida pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), no acórdão de 08 de abril de 2014, no caso ‘Digital Rights Ireland e outros’, por violação do princípio da proporcionalidade à luz da Carta dos Direitos Fundamentais da UE.

Recomendadas

Mário Ferreira diz que empréstimo do Banco de Fomento à Pluris tem juro até 9,5%

O Banco Português do Fomento (BPF) aprovou a candidatura de 12 empresas ao Programa de Recapitalização Estratégica do Fundo de Capitalização e Resiliência (FdCR) no valor de 76,7 milhões de euros. Dos quase 77 milhões de euros, 40 milhões foram aprovados para a Pluris. 

JE promove debate sobre o valor económico da indústria farmacêutica (com áudio)

O Fórum da Indústria Farmacêutica realiza-se no Pestana Palace Lisboa Hotel, a partir das 9h15, e terá como tema central o valor económico da indústria farmacêutica. Será transmitido, em direto, através da plataforma JE TV, em www.jornaleconomico.pt.

Deloitte diz que reavaliação pedida por Novobanco aos Fundos de Reestruturação gerou perdas de 313 milhões em 2020

No documento da Deloitte, são reveladas as “perdas em fundos [de reestruturação] de 313 milhões de euros, resultantes essencialmente de um processo de reavaliação por entidade externa promovido pelo Novobanco, que resultou numa desvalorização média de cerca de 47% face ao Net Asset Value apresentado nas contas dos fundos” de reestruturação.
Comentários