PremiumVolkswagen Carocha: a paixão relembrada

O Dia Mundial do Carocha foi o “leitmotiv” para se falar do maior ícone automóvel de todos os tempos, do maior sucesso na indústria automóvel, que quase 20 anos depois do fim da produção continua a gerar paixões.

O primeiro beijo ou o primeiro grande amor não se esquecem. E quando esse amor é um Carocha fica ainda mais difícil combater a nostalgia de um carro criado para o povo e que é um ícone da simplicidade e da engenharia. Falamos do Carocha, do Fusca, do New Beetle ou de um VW.

O nome depende do continente onde nos encontramos e da paixão que nutrimos mas acabamos sempre naquele carro com a provecta idade de 75 anos e que nos leilões de carros clássicos atinge valores de venda consideráveis e que são comparáveis a veículos novos do segmento médio.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Portugal-França: a Temporada Cruzada continua a agitar o mês de agosto

Ao oitavo mês, a Temporada Cruzada Portugal-França não dá tréguas a quem procura alimento para os sentidos, com propostas que vão da instalação sonora à subversão do privado. Quem disse que agosto é ‘silly’?

Livro: “Viagens de Mandeville”

A literatura de viagens medieval tinha os seus cânones. Um deles era a descrição de povos grotescos que viveriam do outro lado do mundo. Mandeville, ao narrar as “suas” viagens, não impôs qualquer travão à sua imaginação.

Em modo ‘flâneur’

Para quem ama as cidades, o modo ‘flâneur’ é quando se pode fixar imagens “sem mapa e com uma absurda sensação de descobridor”, como escreveu o arquiteto Siza Vieira.
Comentários