Volkswagen obtém ganhos no primeiro semestre do ano

A Volkswagen informou hoje que o volume de negócio cresceu 2% entre janeiro e junho, até aos 132.285 milhões de euros, após a venda de automóveis mais caros, de gama mais alta e de veículos desportivos. 

25 – Volkswagen T-ROC

O grupo construtor de automóveis Volkswagen obteve até ao passado mês de junho um ganho líquido de 10.296 milhões de euros, 27% mais do que no primeiro semestre de 2021, apesar da escassez de componentes eletrónicos.

A Volkswagen informou hoje que o volume de negócio cresceu 2% entre janeiro e junho, até aos 132.285 milhões de euros, após a venda de automóveis mais caros, de gama mais alta e de veículos desportivos.

O resultado operacional somou 12.828 milhões (+13%), com uma margem sobre a faturação de 9,7%.

As vendas de veículos elétricos alcançaram as 217 mil unidades na primeira metade do ano, mais 27%.

Mesmo assim, as vendas totais diminuíram no primeiro semestre (22,4% menos) após a forte queda registada em todas as regiões de todas as marcas, exceto Lamborghini e Bentley.

O diretor financeiro da Volkswagen, Arno Antylitz, disse na apresentação dos números que “apesar dos desafios globais sem precedentes, o grupo mostrou uma robustez financeira considerável”.

O grupo Volkswagen confirmou as previsões para 2022 esperando que o segundo semestre do ano “seja bom e melhor os problemas” referentes ao abastecimento de semicondutores e cabos.

A Volkswagen disse que o abastecimento de cabos está a um nível que considera “normalizado”.

O relatório não quantifica os efeitos reais da invasão russa da Ucrânia e da pandemia de covid-19, mas refere a atual “incerteza” na Europa sobre o abastecimento de energia.

“Apesar das cautelas em torno da volatilidade dos mercados e dos riscos geopolíticos estamos convencidos de que podemos acelerar a transformação do consórcio”, disse ainda Antlitz.

Recomendadas

Grupo da transportadora aérea Sevenair aumenta receitas devido aos cursos de piloto

A Sevenair Academy viu o EBITDA fixar-se ligeiramente acima dos 2 milhões de euros no ano passado.

Sérgio Figueiredo contratado para consultor de Fernando Medina

O contrato estende-se por dois anos e Sérgio Figueiredo deverá receber um ordenado equiparado ao de um ministro.

SINTAC reúne com DGERT e ANA/VINCI para discutir serviços mínimos a assegurar agosto

Em causa estão ainda outras medidas defendidas pelo sindicato, desde o aumento de salários, para fazer face à inflação, até ao reforço dos recursos humanos.
Comentários