Volkswagen perde um quarto da capitalização em bolsa

O grupo Volkswagen perdeu em bolsa cerca de 15,6 mil milhões de euros, quase um quarto da sua capitalização, depois de ter admitido que falseou os dados sobre as emissões dos seus carros nos EUA. As ações do grupo automóvel alemão fecharam a sessão a caírem abruptamente 23%, para 125,40 euros, sendo que o presidente […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O grupo Volkswagen perdeu em bolsa cerca de 15,6 mil milhões de euros, quase um quarto da sua capitalização, depois de ter admitido que falseou os dados sobre as emissões dos seus carros nos EUA.

As ações do grupo automóvel alemão fecharam a sessão a caírem abruptamente 23%, para 125,40 euros, sendo que o presidente da Volkswagen, Martin Winterkorn, cuja renovação do mandato estava prevista para o conselho de supervisão de sexta-feira, vê o seu cargo em risco.

Segundo o analista Arndt Ellinghorst, da Evercore ISI, citado pela agência de informação financeira Bloomberg, a questão dos Estados Unidos “pode ajudar a catalisar ainda mais as mudanças de gestão na Volkswagen”, uma vez que as acusações dos Estados Unidos são “graves” e devem ser esclarecidas rapidamente.

Já o primeiro-ministro do Estado alemão da Baixa Saxónia, Stephan Weil, afirmou que “irão ser tiradas as consequências deste caso”, sendo que esta região da Alemanha detém 20% do grupo Volkswagen.

A Comissão Europeia referiu também que está a investigar a Volkswagen, tentando saber se o grupo alemão também fez o mesmo que nos Estados Unidos.

Para isso, um porta-voz da CE revelou estar em contacto com as autoridades norte-americanas para saber detalhes sobre este caso.

Entretanto, a Volkswagen iniciou uma investigação interna, depois de a Agência de Proteção do Meio Ambiente (EPA) dos Estados Unidos ter acusado a empresa de falsear o desempenho dos motores em termos de emissões para a atmosfera através de um ‘software’ incorporado no veículo, enfrentando uma multa que pode ir até aos 18 mil milhões de dólares (cerca de 15,9 mil milhões de euros ao câmbio de hoje).

No entanto, a Volkswagen não especificou quantos modelos estarão afetados pela decisão, mas alguns dos veículos que incluem este motor são, por exemplo, o Golf, Jetta, Beetle da Volkswagen e o Audi A3.

O presidente do grupo Volkswagen, Martin Winterkorn, lamentou no domingo ter “quebrado a confiança” dos seus clientes e do público em geral, depois das acusações das autoridades norte-americanas.

O presidente da empresa disse estar “profundamente arrependido” por ter quebrado a confiança do público, sendo que a marca suspendeu as vendas dos modelos de carros envolvidos, que eram uma pedra angular dos esforços de Winterkorn para recuperar mercado nos Estados Unidos.

A estratégia da Volkswagen para o mercado norte-americano passava por vender carros a gasóleo com motores poderosos e poucas emissões, uma forma de ganhar quota, já que no ano passado as vendas nos Estados Unidos tinham caído 10% para 366.970 unidades.

Na quinta-feira, as autoridades norte-americanas aplicaram uma multa de 900 milhões de dólares (795 milhões de euros) à General Motors relativamente a um defeito no sistema de ignição que afetou 2,6 milhões de carros e causou 124 mortes.

OJE

Recomendadas

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.